Santiago: Câmara do Tarrafal prevê recolocar três dispositivos de concentração de peixes até final do ano

Tarrafal, 23 Fev (Inforpress) – A Câmara Municipal do Tarrafal prevê recolocar até o final deste ano três novos dispositivos de concentração de peixes (DCP) nas seis baixas de concentração de peixes naquele município do interior de Santiago.

A informação foi avançada hoje à Inforpress pelo vereador da Economia Local, Inovação e Desenvolvimento Rural, Osvaldo Chantre, lembrando que os DCP instalados em 2012 com financiamento da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), por falta de manutenção acabaram por danificar.

Daí, segundo a mesma fonte, o investimento da edilidade nesse equipamento, informando que um dispositivo foi lançado esta segunda-feira numa das cinco/seis baixas de concentração de peixes, visando aumentar a captura para a pesca artesanal.

Para que o equipamento, ora lançado ao mar não venha estragar com os demais, avançou que se vai fazer o seguimento, monitoramento, limpeza e manutenção e sensibilização dos pescadores, sobretudo para que estes não “exagerem” na captura dos peixes.

Entretanto, fez saber que a edilidade vai procurar parceiros para que ainda no decurso deste ano “recolocar” mais dois DCP em mais duas baixas de concentração de peixes naquela comunidade piscatória.

Na ocasião, lembrou que no âmbito do Dia Nacional do Pescador, celebrado a 05 de Fevereiro, que a autarquia tarrafalense entregou 52 malas isotérmicas beneficiando cerca de 60 peixeiras, tendo em conta que há quem vende o pescado em grupo.

Por outro lado, avançou que a câmara já está na posse de sete motores de popa para serem entregues aos homens do mar, prevendo ainda mais motores e malas isotérmicas ainda no decurso deste ano.

Recentemente, em entrevista à Inforpress o presidente da Cooperativa dos Pescadores, Peixeiras e Armadores de Santiago Norte (Coopesca), José Rui de Oliveira, pediu ao Governo para instalar novos DCP em todas as comunidades piscatórias da região, visando aumentar a captura para a pesca artesanal.

É que, segundo ele, com esta pandemia provocada pelo novo coronavírus (covid-19), a instalação desse equipamento vai ser uma “mais valia” para os pescadores que vão pescar nas suas comunidades e para a pesca artesanal.

“Não devemos esquecer que a instalação dos DCP é uma das maiores formas de captura para a pesca artesanal, porque um barco de maior dimensão pode ir pescar nas ilhas e ir mais longe, mas, os botes não. Tendo os DCP instalados e com esta doença não vai haver necessidade de os pescadores se deslocarem para outras ilhas para levar e trazer a doença”, defendeu.

Daí que, apelou à administração de pesca para colocar pelo menos dois novos DCP em todas as comunidades piscatória da região Norte da ilha de Santiago, aliás, lembrou, que este sistema existia no passado e proporcionou resultados positivos para os homens do mar da região.

Conforme explicou, este dispositivo vai ajudar os peixes migratórios a fixarem nessas comunidades piscatórias, e que não vai ser necessária a realização da faina em outras ilhas.

FM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos