Santa Catarina: Polícia Nacional preocupada com “ligeiro aumento” de roubos e furtos com envolvimento de menores (c/áudio)

Assomada, 23 Set (Inforpress) – A comandante da Esquadra Policial de Santa Catarina, Zelinda Vasconcelos, mostrou-se hoje “preocupada” com o “ligeiro aumento” de casos de roubos e furtos com envolvimento de menores de idade nesse município santiaguense.

Segundo Zelinda Vasconcelos, que falava em conferência de imprensa, em Assomada, Santa Catarina, na sequência dessas ocorrências, disse que a Polícia Nacional elaborou um plano operacional que passou a contar com um grupo de efectivos específico no terreno 24 horas/dia no sentido de identificar e reprimir estes tipos de crimes.

Daí, na sequência do referido plano, que arrancou em meados de Setembro e ainda em vigor, através de uma denúncia de assalto no bairro de Achada Riba, em Assomada, foi detido em flagrante delito quatro indivíduos ainda na posse de pertences da vítima, nomeadamente dois telemóveis, sendo um iPhone, auscultador, carteira e uma quantia de 500 escudos.

Relativamente aos quatro suspeitos de crimes de roubos e furtos, a responsável fez saber que foram presentes no prazo legal ao Ministério Público (MP) tendo-lhes sido aplicado como medidas de coacção a prisão preventiva, estando estes, de momento, na esquadra policial a aguardarem a condução para a Cadeia Central da Praia.

Ainda no âmbito da operação para fazer face aos crimes de roubos e furtos nas pessoas e residências, informou que foi detido em flagrante delito um indivíduo na posse de uma arma de fogo calibre 32 milímetros, e mais 28 indivíduos para efeito de identificação, dos quais 15 são menores com idades compreendidas entre 13 a 17 anos.

A operação, acrescentou, permitiu ainda recuperar vários produtos, como bicicletas, colunas de som, telemóveis, portáteis e materiais utilizados para praticar os crimes, informando que alguns já foram entregues aos respectivos titulares.

Sobre o alegado envolvimento dos menores nos crimes de roubos e furtos, Zelinda Vasconcelos, que considerou a situação “preocupante”, adiantou que a instituição que dirige já elaborou um relatório detalhado dos mesmos e encaminhou para o MP para posteriores procedimentos.

“De facto estamos a viver um momento um pouco preocupante, tendo em conta que não é prática, não é rotina e não é esse o ambiente de Santa Catarina”, admitiu, assegurando que este plano específico para fazer face e reprimir estes tipos de ocorrências no concelho vai estar em curso até devolverem à população o sentimento de segurança.

Na ocasião, pediu a colaboração da população principalmente com informações e todas as situações e indivíduos suspeitos para que a PN possa actuar, reiterando o “firme propósito” de reforçar e devolver o sentimento de segurança em Santa Catarina.

FM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos