Santa Catarina: PAICV acusa equipa camarária de estar “de costas voltadas” para o desenvolvimento do município

Assomada, 23 Nov (Inforpress) – A Comissão Política Regional (CPR) do PAICV – Santiago Norte acusou hoje a Câmara Municipal de Santa Catarina, liderada por Jassira Monteiro, de estar “de costas voltadas” para o seu desenvolvimento e para as suas potencialidades.

“Santa-catarinenses hoje estamos perante uma situação de pensamento cada vez mais desiludido e pobre (…). Hoje falta humildade, ideia, visão e de postura para o desenvolvimento de Santa Catarina”, lamentou o porta-voz da CPR do PAICV em Santiago Norte, Jorge Gomes.

Este dirigente do principal partido da oposição falava em conferência de imprensa em Assomada, Santa Catarina, para fazer um balanço do estado actual do desenvolvimento deste município do interior de Santiago, que comemora os 188 anos no próximo dia 25 de Novembro.

Jorge Gomes, que dá nota negativa aos dois primeiros anos de mandato da equipa camarária gerida pelo Movimento para a Democracia, afirmou que as “ideias desassustadas” e “recursos irrisórios” não têm contribuído para o desenvolvimento dos sectores-chave desse município, como agricultura, pesca, pecuária e turismo rural.

É que, conforme defendeu, um município com característica rural não devia disponibilizar recursos para sectores considerados secundários e que não beneficiam o desenvolvimento e os próprios munícipes, referindo-se ao festival de música “Nha Santa Catarina 2022”, orçado em 15 mil contos.

“Estamos perante uma situação de crise de destino, com alta incapacidades de governar, com uma equipa sem visão citadina e espírito citadino e contribuiu para termos uma cidade às moscas, pois, com elevado pensamento desestruturado que conduzem para a pobreza extrema e desigualdade social”, considerou.

A mesma fonte, que responsabilizou a autarquia santa-catarinense pelas situações de “extrema pobreza e desigualdade social” no concelho, lembrou que os próprios munícipes têm procurado a comunicação para denunciar tais situações e a “má gestão” do executivo municipal.

Por tudo isso, acrescentou que Santa Catarina clama por socorro para remover o perigo actual instalado na governação municipal.

“Santa Catarina precisa do PAICV e há um chamamento notório para resgatar a dignidade do município”, exteriorizou, explicando que este chamamento que parte dos próprios munícipes se deve ao “mau desempenho” da equipa camarária.

Ou seja, ajuntou que a actual equipa camarária também está “de costas voltadas” para a juventude e para as famílias.

Por outro lado, nas vésperas das festividades do Dia do Município e da santa padroeira Santa Catarina, que comemora os 188 anos no próximo dia 25 de Novembro, lamentou o facto de não haver programas que movimentam a economia local, inaugurações e actividades culturais.

FM/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos