Santa Catarina: Obras da estrada Achada Grande/Chã de Lagoa arrancam num investimento de 261 mil contos (c/áudio)

Assomada, 20 Abr (Inforpress) – As obras da estrada que liga Achada Grande, Palha Carga, Entre Picos de Reda e Chã de Lagoa, em Santa Catarina, arrancaram hoje e devem estar concluídas em 16 meses, representado um investimento global de 261 mil contos.

A estrada que tem uma extensão de 10 quilómetros (km), com plataforma de 6 metros (m) sendo, faixa de rodagem 5 m, 2 bermas de 0,5 m cada e raio mínimo das curvas em planta de 20 m resulta de um financiamento do Banco Mundial e do Governo de Cabo Verde. A gestão da empreitada é da responsabilidade do Instituto de Estradas.

Pavimento em calçada de pedra, construção de muros, drenagem (valetas), obras hidráulicas, sinalização e segurança são as principais actividades a serem desenvolvidas.

O lançamento da obra que visa melhorar as acessibilidades e potenciar o desenvolvimento da agropecuária, através da melhoria das condições de tráfego e distribuição de produtos foi co-presidido hoje, pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, o presidente da câmara local, José Alves Fernandes, e pela ministra das Infraestruturas, Ordenamento do Território e Habitação, Eunice Silva.

Na sua intervenção, o chefe do Governo afirmou que estão ali para fazer com que a partir de hoje a obra arranque de facto e não para fazer lançamento de primeira pedra, visando a construção de uma “estrada de qualidade” que vai desencravar todas essas localidades.

O propósito do Governo, segundo o ministro, é levar estrada aonde residem pessoas, nesse caso beneficiando cerca 1800 pessoas, onde há actividades económicas, agricultura e criação de animais.

Segundo ele, a construção dessa estrada vai tornar mais fácil a circulação de carros, de pessoas, fazendo com que os produtores estejam mais próximos do mercado e ainda facilitar o acesso à saúde e à educação “em melhores condições”.

Conforme avançou, a obra vai criar 140 emprego directo e mais 70 calceteiros ao longo da sua execução, aliás, explicou que foi por causa da criação de emprego que decidiram pela colocação de calçada de pedra que, ao seu ver, vai ser feito “tão bem” como o asfalto e tem tanto “valor ou mais do que asfalto”.

Por outro lado, Ulisses Correia e Silva avançou que além do trabalho a ser criado com a construção dessa via, ainda vão ser criados trabalho com a sua manutenção pelo menos ao longo de quatro anos, cujo financiamento está garantido.

“Então temos todas as condições para optarmos, de facto por aquilo que temos no país [pedras], que vai criar mais emprego e que nos dá as mesmas condições de uma estrada com qualidade para circulamos”, vincou.

Na ocasião, a mesma fonte reiterou o compromisso do Governo de desencravar outras localidades da ilha de Santiago, Santo Antão, Fogo e São Nicolau, sobretudo nas ilhas montanhosas com potencialidades agrícolas, pecuárias e de pesca.

Por seu turno, o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, José Alves Fernandes, que considerou a estrada uma “grande obra”, lembrou que a mesma é uma construção “há muito aguardada e reclamada pela população dessas localidades que “hoje está a ser concretizada”.

Segundo ele, o início dessa “grande obra” que beneficia directamente cerca de 1800 pessoas vai permitir o desenvolvimento e o desencravamento dessas localidades.

Tal obra, explicou, vai permitir que se circule com “mais segurança”, vai aproximar essas localidades da cidade de Assomada, vai garantir a segurança das crianças que vão para as escolas e ainda que o acesso aos serviços de saúde vai ser “mais rápido” e os produtos vão chegar ao mercado em “melhores condições e mais rápido”.

Por tudo isso, José Alves Fernandes, que apelou ao bom uso e que lembrou que a mesma vai gerar emprego, afirmou que a qualidade de vida das populações dessas localidades vai melhorar nos próximos tempos.

Ao usar da palavra, em representação da população, Fico de Lili agradeceu a todos intervenientes deste projecto que vai realizar o “sonho” de todos e que vai permitir-lhes ter uma estrada de qualidade.

Na ocasião, o Governo através da ministra das Infra-estruturas, Ordenamento do Território e Habitação, Eunice Silva, deixou o compromisso de “tudo fazer” para ligar essas estradas a mais 2 km de João Bernardo.

No acto de lançamento que marca o início das obras estiveram ainda presentes o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, o presidente da Assembleia Municipal de Santa Catarina, Eurico da Moura, deputados nacionais, administração do Instituto de Estradas, representantes da empreiteira vencedora do concurso, vereadores e eleitos municipais.


FM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos