Santa Catarina: Governo vai dar uma atenção especial às famílias e crianças rurais – governante (c/áudio)

Assomada, 09 Mai (Inforpress) – A secretária de Estado da Inclusão Social disse hoje que o Governo vai dar uma “atenção especial” às famílias e crianças rurais e que as mesmas se encontram no “centro das atenções” das políticas sociais do Executivo.

“As famílias rurais são uma prioridade para nós, e principalmente a situação de muitas crianças que vivem no seio destas famílias pobres. Nós queremos reforçar toda a nossa actuação no seio das famílias que têm sob a sua responsabilidade crianças que estão nos jardins e ensino básico e secundário, porque precisamos prevenir e dar prioridade claramente às crianças do nosso País”, disse Lídia Lima.

A governante falava em declarações à imprensa após presidir à abertura das actividades descentralizadas da Semana da Família, promovidas pela Direcção-geral da Inclusão Social, que arrancaram hoje na vila piscatória de Ribeira da Barca, Santa Catarina (ilha de Santiago), no âmbito do Dia Internacional da Família, que se assinala a 15 de Maio.

Segundo esta responsável, a escolha dessa localidade deve-se ao facto de a mesma ser uma comunidade com um “número expressivo” de mulheres chefes-de-família, que trabalham “arduamente” para educar os seus filhos.

Daí, segundo ela, o Governo, através da Direcção-geral da Inclusão Social quis com essa iniciativa demonstrar “claramente” que está próximo das comunidades e das populações das zonas rurais, que, reiterou neste momento precisam de uma maior atenção do Executivo.

E para fazer face a esta situação difícil por que passam as famílias, neste particular as rurais, lembrou que o Governo tem muitos programas sociais direccionados às populações e famílias que estão em situação de pobreza, neste momento, destacando o programa de inclusão produtiva e outros que visam apoiar de forma integral as famílias.

Por outro lado, informou que o Governo também assumiu a criança como “prioridade”, daí que vai apostar no seu desenvolvimento sustentável, tendo em conta que, lembrou, são as crianças que vão dar continuidade ao processo de desenvolvimento de Cabo Verde e do Mundo.

“Portanto, nós queremos dar uma atenção especial às crianças das zonas rurais que vivem também nas famílias pobres, porque queremos promover condições melhores de vida e dar oportunidades a todas as crianças de Cabo Verde”, comprometeu-se.

De entre os temas abordados na abertura da Semana da Família, Lídia destacou a “responsabilidade parental, que considerou “importante” nos dias de hoje.

“(…) Precisamos que as famílias realmente assumam efectivamente as suas responsabilidades no processo da educação dos filhos, na integração dos filhos na sociedade, e que façam o devido acompanhamento dessas crianças e adolescentes, visando evitar situações de delinquência, de agressões e violação sexual (…)”, defendeu a governante.

Para que isso aconteça, propôs um trabalho conjunto entre a família e o Estado para que se possa promover condições propícias para que as crianças sejam futuros homens de amanhã e com futuros brilhantes.

Ainda sobre a responsabilidade parental, lembrou que já está no parlamento uma proposta de lei sobre a responsabilidade parental, uma iniciativa das Aldeias SOS de Cabo Verde, que, no entanto, foi partilhada com o Governo, outras instituições que lidam com crianças e a própria sociedade civil.

Na mesma linha, a edil santa-catarinense, Jassira Monteiro, assegurou que as famílias estão sempre no “centro das atenções” das políticas sociais do município, sobretudo nessa comunidade, cuja maioria da família é monoparental, ou seja, chefiada por mulheres.

É nesse sentido, que, segundo a autarca, levaram esta actividade à vila piscatória da Ribeira da Barca para mostrarem que a câmara e o Governo estão sempre disponíveis para apoiar e incentivar projectos direccionados às famílias, e por outro lado mostrar as várias formas de se exercer a parentalidade, e de forma positiva.

Em relação às mulheres chefes-de-família da Ribeira da Barca, Jassira Monteiro lembrou que, além de a câmara estar a trabalhar para formalizar a economia informal, as que vivem da extracção de inertes das praias vão beneficiar de dois projectos “alternativos” a esta prática, que se encontram na fase final.

No evento direccionado para as famílias beneficiárias do Rendimento Social de Inserção (RSI), e que teve como palco o Espaço Jovem da Ribeira da Barca, Santa Catarina, foram abordados temas como “cuidados parentais e desenvolvimento emocional das crianças/adolescentes” e “cuidados parentais em tempos de crise económica”.

FM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos