Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Santa Catarina: Governo quer identificar e criar as condições para que “jovens talentos” possam empreender (c/áudio)

Assomada, 10 Set (Inforpress) – O Governo quer identificar os “jovens talentos” santa-catarinenses e criar as condições para que estes possam empreender no artesanato, nas indústrias criativas, no turismo, nas pescas, na agricultura, nos transportes, no comércio e em todos os domínios da área económica.

“Temos que identificá-los [jovens talentos de Santa Catarina] e criar um programa específico para incentivá-los. O Estado não tem nada para dar a ninguém, mas tem a obrigação de criar as melhores condições para que cada um possa viver do suor e do seu esforço”, disse o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia.

O também titular da pasta das Finanças, que falava durante a sua intervenção na visita que realizou hoje à Incubadora de Negócios de Santa Catarina, disse acreditar que se foram criadas as condições para estes “jovens talentos” tudo ficará mais fácil.

“Mais do que fazer obras físicas, que são importantes, penso que a estrada que temos que construir é a estrada de oportunidades, de empreendimento, de inovação, de criatividade”, defendeu, argumentando que o investimento tem que ser nas pessoas, tendo em conta que são elas que vão fazer com que as obras possam fazer algum sentido.

Durante a sua intervenção, Olavo Correia instou a todos os operadores, instituições criadas para incentivar jovens, e a própria edilidade santa-catarinense, a investir e a confiar na juventude, sustentando que, fazendo isso, se está a dar um “grande contributo para um “Cabo Verde melhor”.

Na sua perspectiva, para que se possa servir melhor os jovens cabo-verdianos, em particular aos de Santa Catarina, as instituições devem criar espaços para parcerias e não de competições.

Nesse sentido, propôs um “trabalho conjunto” entre o Governo e as câmaras municipais, neste caso a de Santa Catarina, com as instituições criadas para incentivar jovens, entre elas a Pro-Empresa, Pro-Capital, Pro-Garante, Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI), Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Por tudo isso, o governante, que afirmou que o povo cabo-verdiano é “empreendedor”, disse não ter dúvidas de que se as condições forem “óptimas” que os jovens cabo-verdianos com talentos e capacidades vão querer “empreender, inovar e criar”.

“O Estado [Governo e as câmaras municipais] há-de criar as condições para que os talentos cabo-verdianos possam colocar as suas capacidades ao serviço de Cabo Verde”, enfatizou.

Do programa de visita constou a apresentação de serviços da Incubadora e projectos em carteira, pelo coordenador Ulisses Vieira, bem como uma sessão de trabalho entre as equipas do Ministério das Finanças e da Incubadora de Negócios.

Durante a sua estada em Santa Catarina, o governante reuniu-se ainda com jovens e operadores económicos daquele município do interior de Santiago, bem como uma visita guiada a duas empresas que aderiram ao Programa Municipal de Estímulo ao 1º Emprego (Jovem Criativo).

A Incubadora de Negócios de Santa Catarina, inaugurada há dois meses, conforme informações avançadas pelo coordenador Ulisses Vieira, já deu acompanhamento e orientações a centenas de jovens e já produziu mais de 15 projectos e planos de negócios.

A mesma, segundo este responsável, conta ainda com quatro “investimentos estruturantes e estratégicos”, mormente a unidade de produção de leitões, unidade, tratamento e processamento do pescado, unidade hidropónica e unidade de produção de pintos, ovos e galinhas, projectos que estão à espera de financiamentos.

Para a sua materialização, prevê-se cursos de formação profissional aos micros e pequenos empresários dos sectores “estratégicos da economia local”, designadamente avicultura, suinicultura, cultura hidropónica e pescas.

Entretanto, Ulisses Vieira apontou como desafio a excessiva carga burocrática quanto à elegibilidade de projectos sujeitos a concursos.

FM/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos