Sal: PAICV crítica situação das estradas na ilha e aponta “falsas promessas” do edil Júlio Lopes

Espargos, 12 Fev (Inforpress) – O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) da região Sal, criticou hoje a situação em que se encontram as estradas na ilha, apontado que o edil, Júlio Lopes, fez várias promessas para melhorá-las, mas ainda não cumpriu.

A posição do PAICV foi defendida pelo responsável do partido na região, Démis Lobo, explicando que neste momento, as estradas do Sal são um “perigo permanente à segurança rodoviária, uma fonte de danos aos veículos motorizados, um desconforto para os seus utilizadores e uma triste figura do Cartão-Postal da Sal, capital do turismo de Cabo Verde”.

Conforme apontou, o edil Júlio Lopes garantiu que o contrato de empreitada da obra pública de reabilitação das estradas nacionais do Sal – Espargos-Santa Maria; Espargos-Palmeira; Espargos-Pedra de Lume e a Avenida dos Hotéis) já estava assinado, que esta obra do Governo de Cabo Verde está orçada em 52 mil contos.

Afirmou também que o presidente da Câmara do Sal assinou, a 28 de Outubro de 2020, um contrato entre as Estradas de Cabo Verde e o Serviço de Manutenção Corrente de Estradas (SEMAC), o qual garantia a manutenção contínua das estradas nacionais do Sal durante dois anos.

“Entretanto, apesar de todas as promessas e garantias, hoje, nem fumo, nem mandado, das prometidas obras estruturais de reabilitação das estradas do Sal”, indicou.

O responsável sublinhou que o que se vem assistindo nos últimos dias são algumas pequenas obras de “tapar buracos”, continuando as estradas do Sal degradadas e, no essencial, esburacadas.

“A situação deplorável em que se encontram as estradas da Ilha do Sal ultrapassa todos os limites do razoável”, lamentou.

Por outro lado, questionou se efectivamente foi assinado um contrato de empreitada da obra pública de reabilitação das estradas nacionais do Sal; se teve o visto prévio do Tribunal de Contas e quando começam e para quando está previsto o término das obras.

“Em que consistem estas obras, serão intervenções estruturais de reabilitação das estradas do Sal ou não passam de cuidados paliativos consubstanciados em tapar buracos, como vem acontecendo”, lançou.

Por fim, disse que os munícipes, os profissionais e utilizadores das estradas do Sal exigem respostas céleres e claras a estas questões.

HR/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos