Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Rússia considera que projeto de Netanyahu para a Cisjordânia pode provocar “forte aumento das tensões”

Moscovo, 11 Set (Inforpress) – A Rússia advertiu hoje que a intenção do primeiro-ministro israelita de anexar uma região estratégica da Cisjordânia ocupada pode provocar “forte aumento das tensões”, na véspera de um possível encontro de Benjamin Netanyahu com o Presidente russo, Vladimir Putin.

O ministério russo dos Negócios Estrangeiros russo manifestou preocupação pela promessa eleitoral de Netanyahu, formulada a poucos dias das eleições legislativas israelitas de 17 de setembro, ao considerar que a sua concretização poderá provocar “um forte aumento das tensões na região e comprometer as esperanças de uma paz há muito aguardada entre Israel e os seus vizinhos árabes”.

Na segunda feira, o gabinete de Netanyahu anunciou a sua deslocação à Rússia, prevista para quinta-feira. Foram dados poucos pormenores, mas Netanyahu deve encontrar-se com o presidente russo, Vladimir Putin, em Sotchi.

A 17 de setembro os israelitas são chamados às urnas pela segunda vez em menos de seis meses e Netanyahu, o primeiro-ministro que ocupa o cargo há mais tempo na história do país, procura atrair os favores do eleitorado russófono, maioritariamente apoiante do partido nacionalista laico Israel Beiteinu, dirigido por Avigdor Lieberman.

Ainda na segunda-feira, o primeiro-ministro israelita prometeu anexar uma parte da Cisjordânia ocupada se for reeleito nas legislativas de 17 de setembro, depois de nas eleições de abril ter prometido anexar alguns colonatos.

“Hoje anuncio a minha intenção de aplicar, num futuro governo, a soberania de Israel sobre o vale do Jordão e a parte norte do mar Morto”, declarou Netanyahu durante uma conferência de imprensa em Ramat Gan, perto de Telavive.

O vale do Jordão representa cerca de 30% da Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel desde 1967.

O anúncio de Netanyahu ocorre a exatamente uma semana da votação num escrutínio que se prevê muito disputado.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos