RSF nomeia 30 “heróis de informação” que se destacaram desde o início da pandemia da covid-19

Cidade da Praia, 18 Jun (Inforpress) – A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) apresentou uma lista com 30 “heróis de informação” que contribuíram com a sua “perseverança ou capacidade de inovação” na difusão de informações “confiáveis” e “vitais” desde o início da pandemia do novo coronavírus.

Em comunicado, a referida organização realça que esses heróis de informação por meio de reportagens e outras iniciativas, que exigiram coragem, audácia e determinação, garantiram que o maior número de pessoas possível tivesse acesso a informações confiáveis e de qualidade.

Ao nomear heróis, a RSF elucidou, pretende primeiramente, prestar homenagem aos jornalistas, whistleblowers e meios de comunicação que se destacaram em sua luta pela liberdade de imprensa num momento de crise excepcional.

Essa iniciativa, conforme o documento, também pretende mostrar que o caos informacional, ainda mais agravado devido à pandemia, não é uma fatalidade, e que as pessoas tornadas exemplos pela RSF podem ser modelos de referência, no momento em que se tornou urgente defender a informação confiável e lutar contra a desinformação.

A lista estabelecida pela RSF inclui personalidades e meios de comunicação tanto famosos quanto pouco conhecidos do grande público, tendo salientando que os mesmos são oriundos dos cinco continentes, sendo que cerca de um terço desses profissionais tem origem na Ásia, onde se iniciou a epidemia.

A maior parte desses heróis, de acordo com a mesma fonte, tem em comum o facto de ter revelado informações que demonstram a gravidade da pandemia, ou que denunciaram uma má gestão da crise sanitária pelas autoridades de seus países.

Entre os escolhidos, estão a jornalista sérvia Ana Lalic, o esloveno Blaž Zgaga, a comoriana Andjouza Abouheir, o bielorrusso Sergueï Satsouk, um médico oftalmologista, Li Wenliang, o primeiro a alertar o mundo sobre o início de uma epidemia explosiva, no final de Dezembro de 2019.

Constam da lista o advogado chinês Chen Qiushi, o jornalista venezuelano Darvinson Rojas, o repórter Vijay Vineet, o famoso caricaturista Ahmed Kabir Kishore de Bangladesh, o editor chefe do site de notícias Swati Newsweek, Eugene Dube do reino de Eswatini e o correspondente do The New York Times em Pequim, Chris Bukley.

O site de notícias independente sino-britânico Caixin, o repórter afegão Anisseh Shahid, uma rádio online marfinense, Wa FM, um site de notícias togolês, TogoCheck, “Gabinete de crise” dos veículos de comunicação do Brasil, jornalistas da Rede Wayuri, o Syndicat-100 na Rússia, jornalistas de Guayaquil e vários correspondentes da Casa Branca fazem parte também da referida lista.

A RSF é uma organização independente sediada em Paris, fundada em 1985 em Montpellier (França) por quatro jornalistas, que se tornou numa organização líder mundial na defesa e promoção da liberdade de informação.

Cabo Verde acumula um total de 792 pessoas infectadas, sendo 398 activos, 385 recuperados e sete óbitos, de acordo com os dados desta quarta-feira 17.

Em África, o número de mortos por covid-19 subiu para 7.197, mais 198 nas últimas 24 horas, em cerca de 267 mil casos, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 443 mil mortos e infectou mais de 8,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

CM/ZS

Inforpress

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos