Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ribeira da Cruz: Associação de agricultores cria condições para produção de água com energia solar

 

Porto Novo, 02 Out (Inforpress) – A Associação dos Agricultores em Ribeira da Cruz, no Porto Novo, Santo Antão, está a criar as condições para que a produção de água para agricultura nessa localidade se processe, dentro de pouco tempo, através de energia solar.

O presidente desta associação, Vanderley Rocha, informou que a organização que dirige está a “articular” com a empresa Lobo Solar visando a operacionalização do sistema fotovoltaico existente nessa zona, para que os custos de produção sejam reduzidos e, logo, o preço final da água para rega.

O novo furo, com capacidade de produção de 250 metros cúbicos de água/dia, entrou em funcionamento há cerca de um mês e funciona, até agora, com base em energia eléctrica a partir da rede pública, a cargo da Empresa de Electricidade e Água (Electra).

“Não podemos anunciar uma data para a operacionalização do sistema fotovoltaico, mas estamos a articular com a empresa Lobo Solar para o efeito. Antes disso, vamos ter que reparar um dos painéis que foi danificado”, explicou este responsável, numa reacção à reclamação de um grupo de agricultores em Ribeira da Cruz (Morro Cavalo) sobre o “elevado” custo de água para agricultura, disponibilizada a partir do novo furo.

Vanderley Rocha estranhou o facto de os agricultores do Morro de Cavalo estarem já a reclamar do preço de água, sabendo que o novo furo, construído no quadro do programa de emergência para Santo Anão, entrou em funcionamento há apenas um mês, exortando os lavadores a apoiarem, também, na reparação do sistema fotovoltaico.

A delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Porto Novo estranhou, também, as reclamações dos agricultores do Morro de Cavalo sobre o preço alto de água para rega, lembrando que durante um ano (entre Setembro de 2016 e Agosto de 2017), esses lavradores tiveram à sua disposição água de forma gratuita.

Esses agricultores se queixam de estarem a pagar 27 escudos por cada tonelada de água, custo que consideram elevado.

JM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos