Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Revisão em baixa das previsões de crescimento de Cabo Verde em 2021 se deve ao contexto mundial – BM

Cidade da Praia, 10 Jun (Inforpress) – A representante do Banco Mundial (BM) para Cabo Verde, Eneida Fernandes, explicou hoje que a revisão em baixa das previsões de crescimento económico para o arquipélago em 2021 se deve aos atrasos na retoma económica registados a nível mundial.

“Se esperava uma retoma da economia do mundo inteiro e, sobretudo nos principais países emissores de turistas para Cabo Verde. Agora, já início do ano, está a acontecer as vacinações no mundo inteiro e a economia vai demorar um pouco para a retoma. Portanto, é esse ‘timing’ de um atraso de meses de reabertura da económica que leva a isso”, explicou.

Eneida Fernandes, que falava à imprensa no final de uma audiência com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, enalteceu, entretanto, a importância que o Governo de Cabo Verde está a dar a retoma económica com a vacinação da população do Sal e Boa Vista, preparando as ilhas turísticas para a reabertura.

De acordo com o relatório sobre as perspectivas económicas globais do Banco Mundial, publicado terça-feira, a economia cabo-verdiana deverá crescer 3,9 por cento (%) em 2021, inferior em 1,6 pontos percentuais face à previsão de Janeiro.

O documento, publicado no ‘site’ da organização, destaca uma diminuição face às previsões de Janeiro, que apontavam para um crescimento na ordem dos 5,5%, mesmo acima da estimativa do Governo que aponta para um crescimento económico de 4,5%, mas só se o país conseguir controlar a pandemia e se verificar um desconfinamento em todo o mundo.

A previsão revista para Cabo Verde está, entretanto, acima da média regional (África Subsariana) estimada em 2,8%.

A nível global, o relatório aponta para um crescimento de 5,6% em 2021, indicando para um ritmo pós-recessão mais rápido em 80 anos.

O Banco Mundial realça que a recuperação é desigual e reflecte, em grande parte, a rápida capacidade de recuperação de algumas das principais economias. Em diversas economias emergentes e em desenvolvimento (EEED), os obstáculos à vacinação continuam a pesar sobre a actividade.

O Banco Mundial prevê que até 2022, as perdas de renda per capita não terão sido totalmente recuperadas em cerca de dois terços das EEED.

MJB/CP

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos