RETROSPECTIVA/Maio: Conclusão e arranque de “obras estruturantes” para o desenvolvimento da ilha ficam na promessa

Porto Inglês, 26 Dez (Inforpress) –  A conclusão das obras de ampliação e modernização do porto do Maio até final deste ano e o arranque do projecto ´Little Africa Maio´ criaram muitas expectativas no seio dos maienses, mas não passaram de promessa.

O primeiro-ministro,  Ulisses Correia e Silva, prometeu durante uma visita à ilha do Maio, em Janeiro do corrente ano, que os maienses teriam até o final deste ano o seu o porto totalmente modernizado e ampliado, o que criou muitas expectativas no seio da comunidade maiense, uma vez que aquela obra é tida como uma das mais relevantes para dinamizar o processo de desenvolvimento da ilha.

Na ocasião, o chefe do Governo disse que os maienses em particular viriam desfrutar da infra-estrutura capaz de receber embarcações tipo roll-on-roll-off, o que, precisou, iria “encurtar para metade” o tempo de viagem entre a ilha do Maio e a Cidade da Praia, com “impacto tanto no conforto dos passageiros como na economia local”.

O primeiro-ministro mostrou-se na altura “satisfeito” com o andamento das obras, pelo que garantiu que o prazo estabelecido iria ser cumprido e que,  a partir da sua entrada em funcionamento, a ilha começaria uma “nova fase de desenvolvimento”.

A par deste investimento, Ulisses Correia e Silva referiu-se ainda ao investimento turístico do projecto “Little Africa Maio” e o seu impacto tanto para ilha do Maio como para a ilha de Santiago.

Contudo, admitiu na ocasião que iria ser necessária uma parceria entre o investidor externo,  o Estado de Cabo Verde e a Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio, para a construção de um aeroporto internacional na ilha, para a qual seria necessário um planeamento,  sem, no entanto,  avançar uma data para tal.

Por seu lado, o promotor do projecto ´Little Africa Maio´, Enrique Bañuellos, disse no passado mês de Abril, que os trabalhos físicos da infra-estrutura iriam arrancar ainda no decorrer do primeiro semestre deste ano, de acordo com o plano traçado.

Aquele representante dos investidores do Grupo Internacional Holding Cabo Verde (IHCV) fez esta revelação aquando da apresentação pública do projecto, orçado em cerca de 500 milhões de euros. Acrescentou que se pretende criar “um destino único nunca antes apresentado”, que vai permitir aos turistas terem uma conexão com o continente africano nos seus diversos aspectos.

A mesma fonte assegurou ainda,  durante o acto, que os trabalhos físicos iniciariam de acordo com a sua previsão, a partir do mês de Julho, após a tomada de posse do novo Governo e da aprovação no parlamento da lei que regulamenta as acções deste projecto, tendo em conta que o mesmo “já tinha sido estudado”, o que permitiu a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo e o referido grupo de investidores.

Perspectivou na ocasião que dentro de uma semana estaria na ilha uma equipa topográfica, para realizar o levantamento topográfico fazendo recurso a drones para a medição de todo o terreno que incluía os planos rodoviários, que abarcam a referida infra-estrutura.

A ilha do Maio foi também palco no mês de Agosto, da primeira edição do “Maio Ocean Trail”, que envolveu dezenas de atletas vindos de praticamente todas as outras ilhas, durante a qual a ilha conseguiu uma singela classificação de terceiro lugar no trial curto.

Em Novembro deste ano, a ilha do Maio foi escolhida como a próxima capital da Juventude, o que deixou a edilidade “satisfeita” pela escolha, prometendo na altura  criar todas as condições para que o evento venha a ser um sucesso.

WN/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos