Retirada rápida dos EUA do Afeganistão “é inaceitável” – Donald Trump

 

Washington, 22 Ago (Inforpress) – O Presidente norte-americano declarou que os Estados Unidos devem continuar a lutar no Afeganistão para evitar os “previsíveis e inaceitáveis” resultados de uma retirada rápida do país onde Washington trava uma guerra há 16 anos.

Num discurso à nação em horário nobre na noite de segunda-feira (madrugada de hoje em Lisboa), Donald Trump disse que o seu “instinto original era retirar”, aludindo à posição expressa antes de se tornar Presidente de que o Afeganistão era um pântano irresolúvel que requeria uma retirada rápida das tropas norte-americanas.

Desde a tomada de posse como Presidente, Trump disse ter concluído que essa abordagem podia criar um vazio e que os terroristas, incluindo a Al-Qaida e o Estado Islâmico, podiam “preencher instantaneamente”.

“Conclui que as ameaças de segurança que enfrentamos no Afeganistão e na fronteira na região são imensas”, disse Trump.

O Presidente norte-americano defendeu ainda que a nova estratégia no Afeganistão não será baseada num calendário, mas em condições, afirmando que não vai discutir o número de tropas.

“Não vamos falar sobre o número de tropas ou sobre os nossos planos para actividades militares adicionais”, disse. “As condições no terreno, não calendários arbitrários, vão guiar a nossa estratégia daqui para a frente”, acrescentou.

Há cerca de 8.400 militares norte-americanos no Afeganistão. Os Estados Unidos chegaram a ter 100.000 tropas destacadas naquele país durante a administração de Barack Obama, em 2010-2011.

Trump disse que o povo norte-americano está “cansado da guerra sem vitória”.

“Eu partilho a frustração do povo norte-americano”, disse Trump, numa base do exército, em Arlington, no estado da Virgínia (sudeste). “No final, vamos ganhar”, afirmou.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos