Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Representante do CEA reconhece abertura das autoridades nacionais para ratificar acordo da ZLECAf

Cidade da Praia, 11 Out (Inforpress) – O representante do escritório sub-regional para África Ocidental (CEA), Mundunge Ghitu, reconheceu hoje, na Praia, uma abertura das autoridades cabo-verdianas para a ratificação do Acordo de Livre Comércio Continental (ZLECAf), que prevê um mercado comum em África.

Mundunge Ghitu fez essa afirmação em declarações à imprensa, à margem do encerramento do ateliê de “Integração dos Pequenos Estados Insulares da África na Zona de Livre Comércio Continental Africano”, promovido pelo Ministério da Indústria, Comércio e Energia em parceria com a Comissão das Nações Unidas para África e que tem como objectivo discutir as melhores formas de integração sustentável do país ao acordo.

“Acho que há uma certa disposição de ir em frente, que foi confirmada pelo facto de o país ter assinado o acordo de livre comércio. Acho que Cabo Verde está no caminho da ratificação do mesmo acordo, porque nota-se uma abertura das autoridades nacionais em torno desta área”, afirmou.

Sobre o evento, o representante do CEA mostrou-se “convencido” que o mesmo foi capaz de alcançar os objectivos para que foi proposto, nomeadamente descobrir que é necessário e quais as vantagens e riscos da ZLECAf para Cabo Verde.

Tendo em conta que Cabo Verde é um país insular, e dado a esta especificidade, Mundunge Ghitu defendeu que deve haver regulamentação no sentido de facilitar a troca comercial feita através de transportes marítimos.

Da parte de Cabo Verde, o director Nacional da Indústria, Comércio e Energia, Rito Évora, garantiu na quinta-feira que o arquipélago está a ultimar trâmites internos para proceder à ratificação do Acordo de Livre Comércio Continental.

O ateliê de dois dias debruçou-se sobre temas como “Os desafios da economia de Cabo Verde e a visão de desenvolvimento” na óptica da agenda 2060 e integração económica africana, “Os principais temas da ZLECAf, seus componentes, desafios e outros”, “ZLECAf e Transformação Estrutural da Economia”.

Cabo Verde faz parte dos 54 países que assinaram o acordo ZLECAf, que representa o maior mercado de livre Comércio do Mundo, com 1,2 milhões de pessoas e um PIB acumulado de 2,5 bilhões de dólares.

O ateliê da fase operacional aconteceu numa altura em que 27 países, incluindo São Tomé e Príncipe, ratificaram o acordo, assinado agora por 54 dos 55 países da União Africana, depois de a Nigéria, a maior economia do continente, ter assinado e ratificado o documento no decorrer da cimeira.

GSF/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos