Representação do PRS afiança que nunca foi intenção do Presidente da Guiné Bissau lesar a classe jornalística cabo-verdiana

Cidade da Praia, 28 Jun (Inforpress) – A representação do Partido da Renovação Social (PRS) em Cabo Verde afiançou hoje, que nunca foi intenção do Presidente da Guiné-Bissau lesar a classe jornalística e o povo cabo-verdiano.

O PRS reagia assim às declarações do Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que nesta  segunda-feira, 26, pediu aos jornalistas guineenses para contribuírem para a construção do país, evitando passar mensagens que ponham em causa a Guiné-Bissau, como fazem os jornalistas em Cabo Verde.

Hoje, em comunicado de imprensa, a representação do Partido da Renovação Social (PRS) em Cabo Verde, esclareceu que nunca foi intenção do Presidente José Mário Vaz lesar a classe jornalística e o povo cabo-verdiano.

“Aliás, nunca é a sua pretensão imiscuir na política cabo-verdiana, apenas pretendeu dar como exemplo positivo, tendo Cabo Verde como um modelo pela referência positiva, aos estímulos dos esforços nacionais”, lê-se na nota.

A explicação do PRS vem na sequência da reação, a esse propósito, da Associação de Jornalistas de Cabo Verde (AJOC), considerando as declarações do chefe de Estado guineense como “extremamente infelizes” e reveladoras de desconhecimento da imprensa cabo-verdiana.

Para Carla Lima, esta é uma questão que todos os cabo-verdianos deviam lamentar e repudiar, uma vez que é o nome do país, dos jornalistas, e dos cabo-verdianos que está a ser envolvido em algo que é conotado com autocensura por parte de um chefe de Estado de outro país.

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos