Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Reitora da Uni-CV apela aos decisores políticos a capitalizar e implementar politicas que não discriminam os mais vulneráveis

 

Cidade da Praia, 05 Dez (Inforpress) – A reitora da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), Judite Nascimento, apelou hoje aos decisores políticos a capitalizar e implementar políticas que não discriminam os mais vulneráveis assim como atitudes negativas relativas às pessoas com deficiência.

Judite Nascimento fez este apelo durante o ateliê de socialização dos “Estudos de Acesso aos Cuidados de Saúde Sexual e Reprodutiva das Mulheres com Deficiência e VIH”, realizado pelo Centro de Investigação e Formação em Género e Família (CIGEF) da Uni-CV, em parceria com o Instituto Cabo-Verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG) e a ONU Mulheres.

“Do resumo das conclusões da investigação verificamos que, apesar dos avanços e da nossa sociedade estar mais aberta, ainda persistem preconceitos e atitudes negativas relativamente as pessoas que são atendidas em determinadas instituições, sobretudo, no seio da sociedade e das famílias, para com as pessoas mais vulnerável”, afirmou.

Conforme a reitora da Uni-CV, para haver mudança é preciso transformar o princípio do bem para todos, assim como o respeito pelo próximo.

A mulher, ressaltou, é e continua a ser a franja mais vulnerável da sociedade quando se trata de fenómenos ligados à violência, HIV/Sida ou outros, pois, sustentou, ela é o centro da família e a que garante a estabilidade social e económica.

Focando no papel da Uni-CV, Judite Nascimento elogiou o desempenho do CIGEF pelo trabalho que tem prestado com as suas investigações, particularmente, nesta temática.

Para a representante da ONU Mulheres em Cabo Verde, Vanilde Furtado, o dia de hoje representa um momento “estratégico e propício” para se falar de um grupo de mulheres e meninas que por razões de género ou outros fatores, que se intersectam, sofrem, de forma desproporcional, as questões de pobreza, trabalho, cuidados e da violência.

“É disto que estamos aqui a falar, e não podíamos levar adiante uma campanha que fala de mulheres sem destacar um grupo específico que sofre, de forma ainda maior, a questão da violência e discriminação”, disse.

O estudo sobre as formas de violência ou as desigualdades em termos de acesso aos serviços de saúde sexual e reprodutiva das mulheres com deficiência e VIH, segundo Vanilde Furtado, “é importante” e visa responder as recomendações do comité do CEDAW ao país, relativamente, ao aprofundamento de informações e conhecimento de serviço de qualidade às mulheres deficientes.

Neste âmbito, felicitou o CIGEF, o Governo e sociedade civil que, “mais uma vez, traz à tona um produto de qualidade, com evidências, que dá voz as que não têm voz e pode subsidiar políticas de respostas especificas” para as necessidades diferenciadas deste grupo de mulheres e meninas.

Já a presidente da Associação Cabo-verdiana de Promoção e Inclusão das Mulheres com Deficiência (APIMUD) Naldi Veiga, o resultado do estudo confirma a denuncia feita pelas mulheres deficientes e portadoras do HIV/Sida sobre o tratamento diferenciado a que são sujeitas e vários serviços, particularmente, no sistema de saúde do país.

“São situações que descrevem violação de direitos quanto ao poder de decisão da mulher deficiente, negação ao direito à informação, privacidade e garantia de sigilo profissional, assim como direito a serviços de atendimento de qualidade e centrado nas pessoas e suas necessidades”, explicou.

Naldi Veiga, em declarações à Inforpress, disse que as mulheres deficientes não querem mais do que o cumprimento da Constituição e que sejam respeitados os seus diretos, pois, frisou, “existem muitas leis que na prática não funcionam”.

E porque Cabo Verde assumiu um compromisso de promoção da igualdade de género, da não discriminação e do empoderamento das mulheres, e, particularmente, da promoção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres (e não só) através da sua adesão aos tratados e convenções internacionais, Naldi Veiga exige o cumprimento dos acordos rubricados.

PC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos