Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Regulamento do concurso do logótipo de candidatura da morna à UNESCO viola direitos de autor – Kiki Lima

Cidade da Praia, 31 Mar (Inforpress) – O artista plástico e designer Kiki Lima criticou hoje o regulamento do concurso para a criação do logótipo da candidatura da morna à UNESCO, iniciativa do Governo, que termina hoje, por violar os direitos do autor.

Num documento enviado à Inforpress, intitulado “Em defesa da morna” o artista afirmou que “discorda em absoluto” do regulamento do concurso do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas por “violar os direitos dos autores” e pelo facto de o prazo (20 dias) para entrega dos trabalhos ser “insuficiente”.

“A candidatura da morna a Património da Humanidade corre o risco de morrer à nascença se a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) detectar violações de direitos de autor no processo de candidatura”, alertou o designer, que pretendia candidatar ao concurso, mas que decidiu resguardar os seus direitos de autor desta “tentativa predatória”.

Segundo Kiki Lima o regulamento contém “incongruências várias”, mas as suas mais lesivas normas são os pontos 1.8, 7.1 e 7.2, que, a seu ver, violam o disposto no Decreto Legislativo nº 1/2009 (Lei de Direitos de Autor) em vigor.

Conforme explicou, o autor vencedor, que receberá um prémio de 125 mil escudos, perderá todos os outros direitos a favor do Ministério da Cultura e Indústrias Criativas, uma vez que terá de assinar um Termo de Cessão dos Direitos Autorais, cujo teor não acompanha o regulamento.

Informou ainda que o vencedor perderá o direito a que o seu nome apareça ligado ao logótipo e a sua própria imagem ficará à disposição do Ministério da Cultura.

“É evidente que quem aceita tais regras candidata-se”, desabafou o artista, argumentando que a questão fundamental é saber se é correcto num Estado de Direito Democrático, o Ministério da Cultura (ou qualquer outro) elaborar, publicar e exigir dos candidatos a concurso a aceitação e comprometimento com regras “que sabe de antemão não estarem conforme” às leis vigentes e “vão contra” as legítimas aspirações dos candidatos e o “interesse geral”.

No seu entender, o Ministério da Cultura e das Industrias Criativas deveria ser “a última entidade a apoderar-se dos direitos dos autores concorrentes”, salientando que caso levar avante esta prática, outros organismos do Estado e privados também o farão impunemente e que “não haverá moral para exigir de ninguém o cumprimento das leis nesta matéria”.

“A morna é de todos nós – autores, intérpretes, público – e, com esta candidatura, aspiramos a que seja de toda a humanidade. É uma imensa responsabilidade, uma oportunidade de ouro para o nosso país, mas um balde água gelada sobre todos nós se a candidatura falhar”, disse.

“Julgo ser dever de cada um de nós dar o seu quinhão para que o esforço colectivo investido até agora não fique em vão com um eventual ‘chumbo’ da candidatura por irregularidades”, enfatizou.

FM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos