Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Rede de combate à criminalidade marítima no Golfo da Guiné arrancou hoje a partir dos Camarões

 

Yaoundé, Camarões, 08 Jun (Inforpress) – As operações da rede inter-regional de combate à criminalidade marítima no Golfo da Guiné arrancaram oficialmente hoje, num programa de 9,2 milhões de euros que envolve 19 países da costa africana, desde o Senegal a Angola.

A Rede Inter-regional do Golfo da Guiné (GOGIN) apoiará os países participantes no desenvolvimento de infraestruturas de planeamento, comunicação e tecnologias de informação aos níveis nacional, regional e inter-regional.

O programa, que terá um orçamento de 9,2 milhões de euros para os próximos quatro anos, envolve 19 países da orla costeira africana, desde o Senegal a Angola, incluindo os arquipélagos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

Senegal, Gâmbia, Guiné-Bissau, Guiné-Conacri, Serra Leoa, Libéria, Costa do Marfim, Gana, Togo, Benim, Nigéria, Camarões, Guiné Equatorial, Gabão, República do Congo, República Democrática do Congo, Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são os países envolvidos neste “esforço conjunto de combate à criminalidade marítima” na região.

O líder do GOGIN, o vice-almirante na reserva Jean-Pierre Labonne, assinalou hoje, em Yaoundé, o início oficial das operações, sublinhando os objectivos da rede.

“O nosso objectivo de longo prazo é apoiar a paz, a estabilidade e o desenvolvimento humano e económico por toda a África ocidental e central. Eu e a minha equipa não pouparemos esforços para fazer do GOGIN um sucesso”, disse.

O GOGIN vem dar expressão prática ao Código de Conduta para a repressão da pirataria, roubo armado contra embarcações e atividade marítima ilícita na África ocidental e central, adotado na cimeira de chefes de estado de 2013 em Yaoundé, também conhecido como Processo de Yaoundé.

O projecto é cofinanciado pela União Europeia e pelo Governo da Dinamarca e implementado pela Expertise France, a agência de cooperação técnica internacional francesa.

Abrange uma área de 6.000 km de litoral e as águas adjacentes, onde nos últimos anos se tem registado o aumento de atividades como a pirataria, raptos, roubo armado em alto mar, tráfico de drogas, de seres humanos, de madeiras, de armas e resíduos tóxico bem como pesca ilegal e roubo de crude.

A rede vai congregar os centros de segurança marítima já existentes, nacionais e multinacionais, coordenados por dois Centros de Coordenação Regional em Abidjan e Pointe Noire, liderados por um Centro de Coordenação Inter-regional em Yaoundé.

Cabo Verde manifestou, em Dezembro, a sua disponibilidade para acolher o centro de coordenação e vigilância marítima para a zona norte (zona G) da região do Golfo da Guiné, durante a segunda reunião anual do grupo G7 + Amigos do Golfo da Guiné (G7++FoGG), que decorreu na cidade da Praia.

O país deverá contar com o apoio de Portugal para a concretização e montagem do centro.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos