Receitas geradas das apostas efectuadas no Totoloto e Joker em 2018 registam aumento de 9% – responsável

Cidade da Praia 29 Jan (Inforpress) – O responsável do sector dos Jogos Sociais de Cabo Verde, Avelino Gonçalves, afirmou hoje que as receitas geradas das apostas efectuadas no Totoloto e Joker em 2018 aumentaram em 9% comparativamente ao ano transacto.

Avelino Gonçalves passou essa informação numa entrevista à Inforpress onde fez o balanço do resultado das apostas efectuadas nos jogos sociais durante 2018, tendo realçado que, comparativamente ao ano de 2017, em que se registou um total de receitas na ordem dos 41%, o ano de 2018 também esteve em crescimento.

Conforme sublinhou este responsável, os jogos sociais têm registado nos últimos anos um crescimento contínuo e que o ano de 2017, comparativamente a 2016 teve um aumento “fora de normal”, isto é 41%, valor esse que considerou como o mais alto registado nos últimos oito anos de exercício da actividade.

“Em 2017 tivemos um aumentou significativo e no ano passado registamos também um crescimento, só que não tão alto em comparação com o ano 2017. Tivemos prémios altos e quando temos esses valores, normalmente aumenta o número das apostas a nível nacional”, disse explicando que a principal razão desse aumento se deve à acumulação do jackpot, ou seja, quanto maior for o volume do prémio maior serão as apostas.

Comparativamente ao ano de 2017 que registou um total de 504 mil contos em apostas, sendo 322 mil contos correspondente as apostas efectuadas no Totoloto Nacional e 181 mil contos correspondente às apostas feitas no Joker, em 2018, segundo Avelino Gonçalves, o valor global das apostas no sector do loto e do Joker foi de 548 mil contos, sendo 346 mil referentes ao totoloto e 201 mil correspondentes às apostas feitas no joker.

Relativamente ao número de bilhetes consumidos em 2017 a nível nacional foi de 4.058.595 tendo indicado que esse valor em 2018 aumentou para 4.422.160 números de boletins do loto consumidos com e sem joker.

De acordo com o regulamento, o valor total das receitas geradas pelas apostas no sector do loto e do Joker é dividido em duas partes sendo que 50 % das receitas se destinam aos prémios para os acertantes.

A outra metade é distribuída a outros beneficiários do Estado, sendo que 15 % vai para a administração de Jogos, a Cruz Vermelha recebe 12% e 10 % é para a comissão dos agentes. Entretanto, a FICASE, o Ministério da Cultura, a Direcção-Geral dos Desportos recebem ainda 3 % cada.

CM/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos