Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Quatro países africanos em risco de enfrentar situação crítica de fome – ONU

Paris, 06 Nov (Inforpress) – Quatro países africanos estão em risco de enfrentar uma situação de fome, advertiram hoje a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Alimentar Mundial (PAM).

Os países ameaçados pela fome são o Burkina Faso, localizado na região do Sahel da África Ocidental, a zona nordeste da Nigéria, o sul do Sudão e o Iémen, de acordo com um relatório da agência e do programa da Organização das Nações Unidas (ONU), hoje divulgado.

Algumas das pessoas que vivem nestes quatro países “enfrentam uma situação crítica de fome”, referem os autores do relatório, advertindo que a escalada dos conflitos e as dificuldades acrescidas no acesso à ajuda humanitária podem levar a um risco de fome.

A FAO e o PAM apontam para uma combinação de factores – conflitos, declínio económico, condições meteorológicas extremas e a pandemia de covid-19 – que estão “a levar as pessoas a entrarem mais profundamente na fase de emergência da insegurança alimentar”.

No entanto, o relatório assinala que estas quatro regiões estão longe de ser casos isolados: “O mapa mundial mostra que as taxas de insegurança alimentar aguda estão a atingir novos máximos a nível mundial”.

O documento indica que outros 16 países correm um risco elevado de aumento dos níveis de fome aguda.

Estes países incluem a Venezuela, Haiti, Etiópia, Somália, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Mali, Níger, Serra Leoa, Moçambique, Zimbabué, Sudão, Líbano, Síria e Afeganistão.

A FAO e o PAM esperam que o relatório promova “uma ação imediata para evitar a ocorrência de uma grande crise (ou série de crises) no prazo de três a seis meses”.

Os desenvolvimentos nestes países dependem, entre outras coisas, do acesso à assistência humanitária e do financiamento contínuo das intervenções humanitárias, afirmam os autores do relatório.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos