Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Qualidade da educação é um desafio permanente em busca de soluções para melhoria e inovação” – primeiro-ministro (c/áudio)

Cidade da Praia, 13 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro disse hoje que a qualidade da educação é um “desafio permanente” em que todos devem ser cada vez “mais exigentes” e cultivar uma atitude de “inconformismo positivista” em busca de soluções para melhoria e inovação.

Ulisses Correia e Silva fez essa consideração na cerimónia de abertura do ano lectivo 2021/2022, que decorreu no salão do Liceu Domingos Ramos, sob o lema “Resiliência e confiança para uma educação de qualidade”, e que contou com a participação dos professores do pré-escolar, ensino básico obrigatório e ensino secundário, e com representantes do corpo diplomático no País.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro realçou que o sistema educativo foi colocado à prova com a pandemia da covid-19, respondeu e tem “respondido bem” (…) e “num esforço conjugado tem sido possível mitigar os efeitos da pandemia mostrando capacidade de resiliência e de adaptação notáveis”.

“O ano lectivo inicia-se em plena pandemia, mas graças ao bom combate que tem sido dado, os riscos são muito menores do que no ano anterior. Uma grande maioria de professores está vacinada, aumentando assim o nível de segurança e protecção sanitária nas escolas”, afirmou, sustentando que é neste cenário de “resiliência e confiança” que se iniciam as aulas.

Ulisses Correia e Silva, que reiterou sobre os desafios educativos, reforçou ainda que as políticas de inclusão, a gratuitidade no ensino básico e secundário é um “ganho assegurado” que o Governo irá continuar a trabalhar para a criação de condições para a “universalização do acesso a todos os níveis escolares”.

O sistema de ensino, asseverou, deve garantir a todos os jovens o domínio do português e do inglês e prepará-los para a nova matriz curricular que vai incluir a língua cabo-verdiana, a partir do ano lectivo 2022/2023.

O primeiro-ministro assumiu também a transformação digital no sistema educativo como uma “parte importante do desafio da qualidade” e anunciou o trabalho que vem sendo feito para a iniciativa “Internet como bem essencial”, visando a sua massificação e gratuitidade nas escolas.

“Devemos formar os nossos jovens com conhecimentos e atitudes que os façam sentir para além de cidadãos cabo-verdianos, cidadãos do mundo. (…) As oportunidades de desenvolvimento profissional dos jovens assim o exigem”, ressaltou.

Para isso, afirmou que os professores são “as chaves da educação de excelência”, pelo que o Governo continuará a envidar esforços no sentido da regularização das carreiras dos docentes e agentes educativos.

“É com estes objectivo estratégicos e no cenário de normalização do funcionamento das escolas que um total de 130 mil crianças, adolescentes e jovens, estarão de regresso às aulas presenciais”, finalizou, frisando que dependendo das directivas da Direcção Nacional de Saúde a população dos 12 a 17 anos poderá vir a ser vacinada.

O ano lectivo 2021/2022 iniciou-se hoje em todo o País com 130 mil alunos.

PC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos