Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Próximos 18 meses serão determinantes para desenvolvimento sustentável, avisa ONU

Nova Iorque, 06 Jul (Inforpress) – As acções e decisões dos próximos 18 meses vão determinar se os planos de recuperação da pandemia de covid-19 vão colocar o mundo no caminho do crescimento económico, do bem-estar social e da protecção do ambiente.

A estimativa faz parte do relatório deste ano sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS, 17 metas globais estabelecidas pela ONU), hoje divulgado pelas Nações Unidas.

De acordo com o documento, que faz um acompanhamento dos esforços globais para alcançar os ODS, a pandemia de covid-19 veio perturbar os progressos para alcançar os objectivos preconizados pela Organização das Nações Unidas (ONU), que já eram lentos mesmo antes da pandemia.

Em 2020, notam as Nações Unidas, devido à covid-19 houve mais entre 119 e 124 milhões de pessoas empurradas de novo para a pobreza, perdeu-se o equivalente a 255 milhões de empregos a tempo inteiro, e o número de pessoas com fome pode ter aumentado entre 83 a 132 milhões.

A pandemia, alerta-se também no documento, expôs e intensificou as desigualdades entre países. E dá-se o exemplo das vacinas contra a covid-19: desde 17 de Junho deste ano, na Europa e América do Norte, foram dadas cerca de 68 vacinas por cada 100 pessoas, enquanto na África subsaariana foram vacinadas menos de duas em cada 100.

Devido à pandemia, diz também a ONU, até mais 10 milhões de meninas estão em risco de casamento infantil na próxima década, e o turismo em colapso afectou desproporcionalmente pequenos Estados insulares em desenvolvimento.

Na crise climática, que a desaceleração económica de 2020 pouco melhorou, as concentrações dos principais gases com efeito de estufa continuam a aumentar, com a temperatura média global a chegar aos 1,2 graus célsius acima da época pré-industrial, muito próximos do limite dos 1,5 graus estabelecidos no Acordo de Paris sobre o clima.

No ano passado, comparando com 2019, os fluxos globais de investimento directo estrangeiro diminuíram 40%, também devido à pandemia de covid-19, diz o relatório sobre os ODS, que fazem parte da chamada Agenda 2030, com metas que incluem melhorar a saúde ou a educação no mundo, reduzir as desigualdades ou estimular o crescimento económico, sempre tendo em conta a preservação do ambiente.

Segundo o relatório, para que os ODS voltem ao bom caminho, governos, cidades, empresas e indústrias têm de utilizar a recuperação para adoptar formas de desenvolvimento de baixo carbono, resilientes e inclusivas, que “reduzam as emissões de carbono, conservem os recursos naturais, criem melhores empregos, promovam a igualdade de género e combatam as crescentes desigualdades”, explicam as Nações Unidas em comunicado sobre o relatório.

“Estamos num momento crítico da história da humanidade. As decisões e acções que tomarmos hoje terão consequências importantes para as gerações futuras”, diz citado no comunicado, Liu Zhenmin, subsecretário-geral do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas.

E acrescenta: “As lições aprendidas com a pandemia vão ajudar-nos a enfrentar os desafios actuais e futuros. Aproveitemos o momento juntos para fazer disto uma década de acção, transformação e restauração para alcançar os ODS e cumprir o Acordo de Paris sobre o Clima”.

A ONU nota também que os esforços para enfrentar a pandemia demonstraram uma imensa resiliência comunitária, uma acção decisiva dos governos, uma rápida expansão da protecção social, uma aceleração da transformação digital, além de uma colaboração única para desenvolver vacinas e tratamentos que salvam vidas em tempo recorde. De acordo com o relatório, estes são “alicerces sólidos a partir dos quais se pode acelerar o progresso dos ODS”.

Mas não deixa de alertar que a taxa de pobreza extrema global aumentou pela primeira vez desde 1998, de 8,4% em 2019 para 9,5% em 2020. Ou que a pandemia afectou os sistemas de saúde e representa ameaças além da própria doença (90% dos países continuam a comunicar uma ou mais perturbações nos serviços essenciais de saúde).

Ou também que provou uma “catástrofe geracional” na educação, ou que afectou os progressos na igualdade de género.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos