Proposta que cria Ordem dos Psicólogos de Cabo Verde vai ao Parlamento

Cidade da Praia, 09 Mar (Inforpress) – A proposta que lei que cria a Ordem dos Psicólogos de Cabo Verde vai ser discutida na próxima sessão parlamentar, a penúltima da legislatura, uma iniciativa dos deputados do Movimento para a Democracia (MpD, poder).

De acordo com o MpD, os psicólogos cabo-verdianos são uma categoria profissional de grande merecimento social, que nos últimos tempos, tem tido papel cada vez mais importante em áreas básicas da sociedade cabo-verdiana.

Nesta linha, é necessário ter uma ordem para conservar e promover a ética, bem como as conjunturas científicas, técnicas e sociais de prática da profissão de psicólogo.

Entretanto a discussão e aprovação deste diploma no Parlamento está envolto de polêmica, visto que a Associação de Psicólogos de Cabo Verde (APCV) manifestou a insatisfação de não ter sido ouvida e dar o seu contributo no projecto.

Segundo a presidente provisória da APCV, Zilda Oliveira, a indignação vem no sentido de que a associação há já alguns anos têm vindo a trabalhar em prol da psicologia em Cabo Verde e tem realizado algumas acções para desenvolvimento da psicologia como ciência e profissão e acabam por ser marcos em Cabo Verde”.

Segundo a responsável, a associação criada desde 2008, em 2013 criou um movimento pró-ordem, cujo objectivo era precisamente de elaborar os estatutos para a Ordem e até contrataram um jurista para fazer o trabalho.

“Acreditamos que este estatuto traduz aquilo que é o ensejo e as ideias da classe e acaba por ter sido socializado e recebido as contribuições dos psicólogos”, afirmou Zilda Oliveira, numa conferência de imprensa realizada na sexta-feira, 05, em São Vicente.

A líder da bancada parlamentar do MpD, Joana Rosa, disse que estranhou a posição da associação, uma vez que explicou que a Assembleia Nacional, desde o ano passado, pediu o parecer da APCV, que, no entanto, entendeu não emitir qualquer parecer alegando que é a organização que tem legitimidade de elaborar os estatutos.

“É uma perversão daquilo que é o nosso sistema constitucional e legal, a iniciativa deve partir dos sujeitos parlamentares e os governos, e as iniciativas dos grupos de cidadãos devem passar também pelo crivo daquilo que é o nosso sistema”, assinalou.

Conforme Joana Rosa, a sua bancada está aberta ainda a propostas da APCV para que se possa enriquecer o diploma ou ter uma opinião das propostas da organização.

O projecto de Lei que cria a Ordem dos Psicólogos de Cabo Verde e aprova o respectivo estatuto será discutido na generalidade e na especialidade.

HR/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos