Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Promulgação do decreto-lei que aprova estatutos do ICCA permite actuação adequada à realidade, Zezinha Alfama

 

Cidade da Praia, 07 Set (Inforpress) – A presidente do Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA) considera que a promulgação do decreto-lei que aprova os estatutos da instituição constitui uma “nova viragem” no seu funcionamento, permitindo uma actuação consentânea com a realidade actual.

Maria José Alfama falava em declaração à Inforpress na sequência da promulgação, segunda-feira, 04, pelo Presidente da República, do decreto-lei que aprova os estatutos do Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente.

“É um instrumento há muito esperado e um documento orientador que já fazia falta. O último estatuto da instituição foi aprovado em 2000, pelo que já estávamos a sentir a necessidade de adequar os nossos estatutos à realidade actual”, disse.

Para Maria José Alfama, a promulgação dos estatutos do ICCA é um “passo importante” para a regularização da situação socio-profissional dos trabalhadores, pois, na sequência da homologação deste instrumento vem o PCCS que deverá ser aprovado brevemente.

Ainda a presidente do ICCA, a aprovação do decreto-lei que reconhece o Estatuto da instituição vem dar maior garantia da eficiência e eficácia da sua actuação no sector da protecção das crianças e adolescentes.

O estatuto em termos de novidade, segundo Maria José Alfama, ganha “maiores amplitudes” pelo facto de deixar bem claro qual a missão do ICCA.

“Cabe ao ICCA a coordenação de política de protecção e defesa dos direitos da criança e do adolescente, bem como directrizes a serem seguidos pelos serviços públicos e privados nesta matéria”, indicou.

Para além desta atribuição, aquela responsável apontou, ainda, a possibilidade de realizar protocolos com serviços públicos e privados que permite maior eficiência e eficaz nas respostas, assim como acompanhamento, controlo e fiscalização das acções públicas e privadas.

O presente documento, lembra, prevê ainda que a instituição faça revisão dos instrumentos já existentes no que respeita à prevenção e protecção das crianças e adolescentes.

No que respeita a controlo e fiscalização, informou que o ICCA vai ter de elaborar um conjunto de instrumentos nesta área para poder agir.

O Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente, que substituiu no ano 2006 o Instituto Cabo-verdiano de Menores, tem como competências contribuir para a formulação de uma política de atendimento aos direitos da criança e do adolescente, e decretar medidas de protecção, assistência e educação relativamente a menores em situação de risco.

Consta, ainda, da competência do ICCA programar, supervisionar, coordenar e executar actividades e projectos de protecção da criança e do adolescente.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos