Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Projecto de resposta humanitária pós-inundação beneficiou mais de 230 famílias nos diversos municípios

Cidade da Praia, 05 Jan (Inforpress) – O projecto de resposta humanitária pós-inundação do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCVB), executado com o apoio do CITI Habitat e o financiamento da CEDEAO beneficiou um total de 230 famílias da região de Santiago Sul.

Os dados foram revelados hoje na cerimónia de encerramento deste projecto que visava responder aos afectados pelas cheias e inundações em 2020 pelo presidente interino da SNPCVB, Hélio Semedo, que fez uma avaliação positiva dos trabalhos realizados.

“O balanço da execução do projecto é extremamente positivo uma vez que conseguimos cumprir com as metas estipuladas no início, que era abarcar 230 famílias nos municípios da Praia, São Domingos e Ribeira Grande de Santiago, com acções concretas”, descreveu.

Segundo Hélio Semedo, o projecto surgiu devido à situação de chuvas e inundações que abalou o arquipélago em 2020, mais concretamente alguns municípios do sul da ilha de Santiago, e foi financiada pela CEDEAO, no valor de catorze milhões de escudos.

“Com este projecto conseguimos assistir algumas famílias em situação de vulnerabilidade económica, conseguimos reabilitar algumas casas que precisavam de uma intervenção mais abrangente, construímos casas de banho, prestamos assistência com cestas básicas e foi possível apoiar 93 famílias com projecto geradoras de rendimento”, enumerou o responsável.

Por sua vez, o presidente da CITICOOP, Jacinto Santos, sublinhou a satisfação em fazer parte do projecto, que além de reabilitar casas e construir casas de banho, contribuiu para formação das famílias em educação financeira e auxiliá-las com informações de como realizar actividades geradoras de rendimento.

“Dos montantes recebidos, cada beneficiário entrou na CITICOOP com o capital social de cinco mil escudos, o que significa que no final entraram como elegíveis para o financiamento das suas actividades, para expansão e desenvolvimento de melhores condições de sustentabilidade”, sublinhou.

O embaixador da CEDEAO para Cabo Verde, Samuel Lamptey, enalteceu o trabalho executado ao longo do projecto e sublinhou que a melhor maneira de melhorar a situação de algumas famílias é poupar e investir em actividades geradoras de rendimento.

“O nosso objectivo principal é fazer com que as pessoas saiam da extrema pobreza, os beneficiários ficaram muito satisfeitos com as intervenções feitas. Gostaria de felicitar os agentes envolvidos na execução e acompanhamento do projecto”, declarou.

O projecto de resposta humanitária pós- inundação nos Estados membros da CEDEAO afetados pelas cheias e inundações em 2020 envolveu diversos parceiros como as câmaras municipais dos municípios beneficiados, parceiros privados e as próprias famílias beneficiadas.

ES/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos