Agenda
Covid-19: Cabo Verde regista um óbito, 274 novos casos positivos e 297 recuperados
Conferência dos Oceanos: Planear o mar é planear o território nacional – ministro do Mar
Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de subsídios de “vela”
Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de “velas” Ribeira Grande, 28 Jun (Inforpress)- Vários funcionários do Hospital Regional João Morais (HRJM)estão revoltados por estarem com quatro meses de atraso no pagamento dos serviços de velas (horas extras), situação que segundo os mesmos arrasta desde o mês de Março. Os funcionários que procuraram à Inforpress para fazerem a denúncia pediram anonimato por “medo” de “possíveis ameaças” que podem sofrer. No entanto, conforme os mesmos trata-se de uma situação que não é a primeira vez que acontece o que, segundo os mesmos tem “prejudicado muito” até para “honrarem” os seus compromissos assumidos com terceiros. Estes alegam que estão “cansados” de ir ao gabinete da administração do hospital que tem sempre a “mesma desculpa” que tudo “depende” dos serviços centrais do Ministério da Saúde na Cidade da Praia. “Já ameaçamos fazer greve, mas mesmo assim somos ignorados até porque o sindicato que nos representa também só tem dado “show off” e nada fez para nos ajudar a resolver esta questão” pontuou. Neste sentido, estes funcionários “exigem” do Ministério da Saúde a regularização do pagamento do subsídio de velas, o “mais breve possível”, sob pena de partirem para outra forma de luta para a defesa dos seus direitos. “É um direito nosso, trabalhamos para receber as nossas velas e não vamos deixar isso por isso mesmo” garantiu. Por sua vez, o administrador do HRJM, Aníbal Miranda confirmou o atraso de quatro meses de vela desses funcionários que segundo o mesmo são contratados pelo ministério da saúde. “Temos noção da situação desses funcionários, mas infelizmente não temos nenhum feedback do ministério da saúde para quando o pagamento desse subsídio” acentuou. Já o secretário do Sindicato Livres dos Trabalhadores de Santo Antão, Carlos Bartolomeu alegou que “desconhece” esse atraso no pagamento das velas desses funcionários, e que, da última vez que tomou conhecimento o mesmo “interveio” pontualidade. Entretanto, Carlos Bartolomeu disse que ficou “extremamente triste” como o comportamento e “ingratidão” desses funcionários, e esclareceu que o SLTSA não tem “interesse” em dar “show off”. “Das outras vezes com situações semelhantes o SLTSA tentou por diversas vezes dialogar com o ministro da saúde sobre a situação desses funcionários, mas igualmente aos outros ministros do Executivo eles não dialogam, por conseguinte não tivemos algum feedback” justificou. LFS Inforpress/Fim
Brava: Introdução dos horários no SIGE facilita todos os envolvidos no sistema educativo – Director CENS
Next
Prev

Professor António Rebelo e Sousa defende renegociação do acordo cambial entre Cabo Verde e Portugal

Cidade da Praia, 10 Jun (Inforpress) – O professor universitário António Rebelo e Sousa defendeu hoje, na Praia, a revisão do acordo de cooperação cambial entre Cabo Verde e Portugal, sobretudo, na parte que diz respeito à facilidade de crédito e às competências da COMAC.

O professor português, que falava enquanto orador na conferência internacional “Dos cenários alternativos da economia mundial ao futuro de Cabo Verde no contexto internacional”, disse que o montante previsto na facilidade do crédito, no quadro do acordo que foi negociado em 1998, actualmente pode vir a revelar-se inadequado.

No que diz respeito às competências da Comissão de Acompanhamento do Acordo de Cooperação Cambial (COMAC), o professor, que esteve nos bastidores do acordo de cooperação cambial, considera que são necessários o reforço e o alargamento dessas competências.

“Seria útil que essa COMAC estabelecesse as bases de elaboração de um novo country systems, de uma nova estratégia de assistência ao país. Portanto uma country strategic systems actualizada para Cabo Verde”, sustentou.

António Rebelo e Sousa frisou que a COMAC em tempos tinha também a atribuição de estudar realmente um programa de desenvolvimento estrutural para Cabo Verde. Uma atribuição, que segundo disse, efectivamente não chegou a ser implementada, mas que defende a sua retoma.

O Acordo de Cooperação Cambial entre Cabo Verde e Portugal foi assinado em 1998, na cidade da Praia, e entrou em vigor com a Resolução nº 81/V/98 de 11 de Maio, que determinou que “a moeda nacional cabo-verdiana passa a estar ligada à moeda nacional portuguesa por uma relação de paridade fixa”.

Durante a sua alocação, o professor convidado pelo Governo a falar do futuro de Cabo Verde no contexto internacional defendeu, igualmente, que Cabo Verde deve encetar diligências junto da Comissão Europeia para, no fundo, negociar um acordo de associação particular com a União Europeia.

“Esse acordo de associação deve integrar alguns aspectos que pudessem ser aceites como tal pela União Europeia, que fazem parte das regras observadas nas regiões ultraperiféricas da União Europeia, caso dos Açores das Canárias e da Guadalupe, Madeira e Martinica e nas regras observadas na política europeia de vizinhança”, sugeriu, adiantando que Portugal tem a responsabilidade histórica de apoiar essa pretensão de Cabo Verde junto da União Europeia.

Por outro lado, sugeriu que Cabo Verde deve reafirmar uma estratégia de parceria euro-atlântica para a paz e defesa e uma parceria triangular entre Cabo Verde, Portugal e Estados Unidos de América para a fiscalização e gestão eficiente das plataformas continentais das zonas económicas exclusivas.

Acho que isso é particularmente relevante. Digamos que é um recurso que existe, que a comunidade lusófona parece às vezes não ter consciência da sua particular relevância. Se nós pensarmos nos países da CPLP e na importância que as plataformas continentais e as zonas económicas exclusivas têm, podemos ver que representa uma parte significativa do atlântico e nós podemos contar com os parceiros relevantes e os EUA são também um parceiro relevante a ter em linha de conta nesta matéria”, sustentou.

O professor doutor sublinhou que o mundo está confrontado com uma fase particularmente relevante da vida internacional e que Cabo Verde está também perante esse desafio.

Por isso afirmou que é preciso tomar decisões, ser imaginativo e construir um projecto futuro com condições indispensáveis ao sucesso.

“Não basta criar as condições para o sucesso é preciso ser mesmo bem-sucedido”, disse.

A conferência internacional “Dos cenários alternativos da economia mundial ao futuro de Cabo Verde no contexto internacional” foi realizada pelo Ministério das Finanças e do Fomento Empresarial em parceria com o Banco de Cabo Verde e visava analisar os cenários alternativos da economia mundial e suas implicações no futuro de desenvolvimento de Cabo Verde.

MJB/JMV
Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de “velas” Ribeira Grande, 28 Jun (Inforpress)- Vários funcionários do Hospital Regional João Morais (HRJM)estão revoltados por estarem com quatro meses de atraso no pagamento dos serviços de velas (horas extras), situação que segundo os mesmos arrasta desde o mês de Março. Os funcionários que procuraram à Inforpress para fazerem a denúncia pediram anonimato por “medo” de “possíveis ameaças” que podem sofrer. No entanto, conforme os mesmos trata-se de uma situação que não é a primeira vez que acontece o que, segundo os mesmos tem “prejudicado muito” até para “honrarem” os seus compromissos assumidos com terceiros. Estes alegam que estão “cansados” de ir ao gabinete da administração do hospital que tem sempre a “mesma desculpa” que tudo “depende” dos serviços centrais do Ministério da Saúde na Cidade da Praia. “Já ameaçamos fazer greve, mas mesmo assim somos ignorados até porque o sindicato que nos representa também só tem dado “show off” e nada fez para nos ajudar a resolver esta questão” pontuou. Neste sentido, estes funcionários “exigem” do Ministério da Saúde a regularização do pagamento do subsídio de velas, o “mais breve possível”, sob pena de partirem para outra forma de luta para a defesa dos seus direitos. “É um direito nosso, trabalhamos para receber as nossas velas e não vamos deixar isso por isso mesmo” garantiu. Por sua vez, o administrador do HRJM, Aníbal Miranda confirmou o atraso de quatro meses de vela desses funcionários que segundo o mesmo são contratados pelo ministério da saúde. “Temos noção da situação desses funcionários, mas infelizmente não temos nenhum feedback do ministério da saúde para quando o pagamento desse subsídio” acentuou. Já o secretário do Sindicato Livres dos Trabalhadores de Santo Antão, Carlos Bartolomeu alegou que “desconhece” esse atraso no pagamento das velas desses funcionários, e que, da última vez que tomou conhecimento o mesmo “interveio” pontualidade. Entretanto, Carlos Bartolomeu disse que ficou “extremamente triste” como o comportamento e “ingratidão” desses funcionários, e esclareceu que o SLTSA não tem “interesse” em dar “show off”. “Das outras vezes com situações semelhantes o SLTSA tentou por diversas vezes dialogar com o ministro da saúde sobre a situação desses funcionários, mas igualmente aos outros ministros do Executivo eles não dialogam, por conseguinte não tivemos algum feedback” justificou. LFS Inforpress/Fim

    Nova Sintra, 28 Jun (Inforpress) – O ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, chega esta noite à ilha Brava para...

  • Galeria de Fotos