Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Príncipe herdeiro saudita promete “mão de ferro” contra extremistas após atentado

Riade, 12 nov (Inforpress) – O príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, prometeu hoje atacar os extremistas com “mão de ferro” após o atentado de quarta-feira em Jidá contra diplomatas ocidentais, reivindicado pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

“Continuaremos a atacar com mão de ferro todos os que querem destruir a nossa segurança e estabilidade”, afirmou Bin Salman ao dirigir-se ao Conselho Consultivo (Majlis al-Choura), na sequência do ataque perpetrado no cemitério não muçulmano da cidade portuária de Jeddah (oeste) durante uma cerimónia na presença de diplomatas ocidentais.

“Continuaremos a enfrentar todas as ideias e todos os comportamentos extremistas”, acrescentou, citado pela agência noticiosa oficial saudita SPA.

O EI reivindicou quarta-feira o ataque perpetrado na cerimónia comemorativa do armistício da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

“O grupo de segurança de soldados do califado conseguiu colocar um engenho no cemitério de Al Jawaya [na quarta-feira] no bairro de Al Balad, na cidade de Jeddah”, referiu o EI num comunicado divulgado através da rede social Telegram, precisando que no local do ataque estavam reunidos “vários cônsules dos países cruzados”.

Os “países cruzados” são a referência do EI aos estados envolvidos nos movimentos militares de inspiração cristã que partiram da Europa Ocidental em direcção à Terra Santa e à cidade de Jerusalém com o intuito de conquistá-las, ocupá-las e mantê-las sob domínio cristão entre os séculos XI e XV.

A nota informativa dos ‘jihadistas’ acrescentou que o engenho denotado no local feriu várias pessoas, mas sem dar mais pormenores.

Pelo menos dois elementos dos serviços de segurança sofreram ferimentos ligeiros, indicou hoje a agência espanhola EFE.

Na quarta-feira, o jornal francês Le Figaro, citando fontes sauditas, avançou que pelo menos quatro pessoas tinham ficado feridas no ataque.

O ataque foi imediatamente condenado, ainda na quarta-feira, pela diplomacia francesa.

“A França condena veementemente este ataque cobarde que nada pode justificar”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, apelando às autoridades sauditas para esclarecerem todos os contornos do ataque.

Outros países (Grécia, Itália, Estados Unidos e Reino Unido) também condenaram o ataque e exigiram igualmente à Arábia Saudita uma investigação transparente.

Horas depois do atentado, as autoridades sauditas classificaram o ataque como “cobarde”.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos