Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Primeiro-ministro endereça mensagem de condolências e solidariedade ao Governo moçambicano

Cidade da Praia, 20 Mar (Inforpress) – O primeiro-ministro endereçou uma mensagem de solidariedade e de condolências ao povo e o Governo moçambicano, vítimas do ciclone Idai, que atingiu o centro de Moçambique, no passado fim-de-semana, destruindo estradas, pontes, hospitais e escolas, causando vários mortos.

Em declarações à imprensa, Ulisses Correia e Silva lamentou a situação de catástrofe natural e humanitária vivida em Moçambique, após o ciclone Idai ter causado inúmeros prejuízos na cidade de Beira.

“A nossa mensagem é de muita solidariedade, a situação é de facto de catástrofes quer natural, quer humanitário, esperamos que a comunidade internacional possa responder de uma forma rápida e efectiva as necessidades de reposição de normalidade”, afirmou, considerando, no entanto, que nestes tipos de situações é muito difícil repor a normalidade.

Isto, porque sustentou, essa reposição exige muitos investimentos, força e solidariedade, salientando, por outro lado, que o Cabo Verde está solidário pelo que  endereça palavras de conforto e de condolências as famílias das vitimas que perecerem na sequencia deste ciclone.

O ciclone Idai atingiu o centro de Moçambique na noite de quinta-feira, 14, tendo seguido em direcção ao Zimbábue e o Malaui, provocando destruição de estradas, escolas, casas, lojas, hospitais e até mesmo uma represa em sua passagem, concluíram as autoridades nacionais.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e citado pelo MM, a tempestade tropical afectou mais de 1,6 milhão de pessoas nos três países.

Em Moçambique, mais de 90% de Beira, a quarta maior cidade do país, foi destruída e há muitos pontos de inundação. Beira está sem electricidade e comunicações e isolada por terra.

Entretanto, a Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que o número de vítimas pode aumentar nos próximos dias.

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos