Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Primeira colecção do projecto Renda Brava será lançada no São João 2022 (c/áudio)

Mindelo, 10 Set (Inforpress) – O director do Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD), Irlando Ferreira, disse hoje que a primeira colecção do projecto Renda Brava, que terá o nome de Nova Sintra, será lançada nas festividades de São João, em 2022.

Irlando Ferreira, que falava à Inforpress durante uma visita ao projecto feito por mulheres, disse que elas já dominam a técnica e conseguem fazer a Renda Brava “com perfeição”, pelo que vão agora entrar na fase de produção e preparar para lançar a marca oficialmente ao público.

Segundo a mesma fonte, a renda é um dos produtos artesanais mais característicos da ilha Brava e por isso tem vários valores associados, explicando que o valor fundamental é o facto de existir uma comunidade de rendeiras na Brava que abraçou o projecto e esforçou-se para conseguir dar o resultado que é necessário.

“Esse é o primeiro grupo e o objectivo é alargar para daqui há 20 anos o projecto esteja a existir. Tem que ser sustentável, tanto do ponto de vista económico, mas também do ponto de vista social. Não é só fazer um trabalho e ir, a ideia é que ele seja um trabalho contínuo”, defendeu, justificando o tempo e a paciência dedicação ao projecto”.

Durante a visita, Irlando Ferreira disse também que teve a oportunidade de ouvir a equipa de criadores que estão por detrás do projecto Renda Brava.

“Viemos perceber também de que forma foi o desafio inicial e onde é que nós estamos hoje. Qual foi o desafio que eles encontraram em fazer o protótipo inicial e alguma frustração, porque eles estavam a pegar em algo que não lhes é habitual”, adiantou.

Segundo o director do CNAD, “toda a parte formativa para que pudessem chegar à esta etapa tem uma metodologia que acaba por ter uma dimensão científica que permite com que daqui a 100 anos, se estiverem a fazer a Renda Brava, desde que se siga a metodologia, conseguirão garantir a qualidade e excelência deste produto”.

Conforme Irlando Ferreira, também analisaram o processo feito até então para perceber de que forma as rendeiras e os designers conseguiram resolver as questões técnicas e a partir do imaginário da Renda Brava introduzir uma outra dimensão patrimonial, uma outra dimensão identitária e fazê-la relacionar com o trabalho das rendeiras, mas também com todo o contexto da ilha Brava.

A responsável do Renda Brava, Adelina Lopes, sustentou que o projecto é “importante para o grupo”, mas reconheceu que no início “tiveram algumas dificuldades” que, entretanto, “já conseguiram ultrapassar”.

O projecto iniciou em finais do ano 2018, no âmbito da 3ª edição da Feira Nacional de Artesanato e Design de Cabo Verde (URDI) e insere-se no “Artesanato Created in Cabo Verde”, promovido pelo Centro Nacional de Arte, Artesanato e Design (CNAD, instituto público tutelado pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas) e conta com a parceria da Câmara Municipal da Brava.

 

CD/MC/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos