Previsões pluviométricas para 2017 registam chuvas normais ou excedentárias para Cabo Verde – Especialista

 

Cidade da Praia, 28 Jun (Inforpress) – As previsões pluviométricas para 2017 indicam chuvas dentro da média ou acima da média para Cabo Verde, o que cria nos agricultores “esperança” para uma “boa” campanha agrícola e, por outro lado, “preocupações” nos outros sectores, sublinhou Antonino Pereira.

O técnico do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG), Antonino Pereira, fez estas considerações à imprensa hoje na Cidade da Praia, à margem da reunião de preparação para a época das chuvas, promovida pelo Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB).

“Todos os modelos globais da sub-região de previsões das chuvas reproduzem situações de chuvas médias (normais) ou acima da média (excendentárias) para Cabo Verde. Podemos dizer acima da média, ou acima do normal, ou ainda excedentária”, anunciou.

Tendo em conta esta situação, Antonino Pereira alerta que esta notícia poderá trazer aos agricultores nacionais “muita esperança” para uma “boa campanha agrícola”, ao mesmo tempo que carrega consigo também “preocupações” para outros sectores de actividades, nomeadamente, saúde, construção civil, pescas, turismo, de entre outros.

Neste sentido, apelou aos serviços de Protecção Civil e Bombeiros e às delegações nos diferentes munícipes, as câmaras municipais e à sociedade civil a estarem atentas para eventuais situações “menos agradáveis”, que podem acontecer durante o período das chuvas que se avizinha.

“Caso viermos a ter chuvas em abundância, é muito provável que venha surgir surtos de Paludismos ou Dengue que já tinham acorrido no país”, disse, afirmando que as autoridades precisam estar alertas frente a esta situação.

Por seu turno, o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, no seu discurso de abertura, afirmou que esta reunião anual traz “esperanças renovadas”, bem como “as preocupações” na agenda, uma vez que a realidade geográfica expõe o arquipélago a “intempéries”.

Por isso, felicitou algumas autarquias locais pelo trabalho “extraordinário” que têm desempenhado, como corrigindo vias para prevenir os riscos de enchentes e de desabamento, e ainda saudou a acção da Elaboração da Estratégia Nacional de Recuperação e Redução de Riscos de Desastres, que contou com a participação de todos os sectores e alguns parceiros.

Em relação à previsão de chuvas normais ou excedentárias para Cabo Verde, Paulo Rocha avançou aos jornalistas, que é uma “boa nova”, visto que traduz esperança para o povo cabo-verdiano, mas que sobretudo traz “preocupações” em termos de melhor organização e preparação para essas épocas.

“Por isso organizamos esta reunião todos os anos que visa a contingência, articulação e estabelecer planos de emergências, de forma a criar respostas, que sejam dadas em tempo e preparar no sentido de mitigar eventuais efeitos menos positivos” enfatizou.

Recorda-se que no dia 21 de Outubro de 2016, o Governo decretou a situação de calamidade pública nas ilhas da região Noroeste de Cabo Verde, particularmente na em Santão Antão onde, entre os dias 12 e 20 de Setembro de 2016, registou a presença de condições climatéricas excepcionais com impacto e prejuízos avultados no sector agrícola, infraestruturas rodoviárias, hidráulicas e habitacionais, assim como na acessibilidade e abastecimento de bens essências as populações isoladas.

AF/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos