Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente egípcio rejeita que europeus lhe deem lições de direitos humanos

Cairo, 26 Fev (Inforpress) – O presidente egípcio, Abdel Fatah Al-Sissi, anfitrião da cimeira de países da Liga Árabe e da União Europeia, pediu esta segunda-feira, 25 aos europeus que respeitem “os valores” do seu país e não lhe deem lições de direitos humanos.

O chefe de Estado egípcio disse na conferência de imprensa de encerramento da cimeira realizada na cidade de Sharm el-Sheikh que os europeus devem “respeitar os valores” do Egípto.

“Vocês não nos ensinarão a nossa humanidade. Respeitem as nossas moralidades e valores tal como nós respeitamos os vossos valores”, afirmou Al-Sissi.

Perante perguntas de jornalistas sobre a situação dos direitos humanos no Egipto, Al-Sissi falou do caso da execução na passada quarta-feira, 20, de nove jovens pelo assassínio do procurador-geral e justificou-a explicando que a pena de morte “é parte da cultura” da região.

“Esta é a nossa cultura, a cultura que existe na região”, disse o líder egípcio.

Al-Sissi manifestou o seu apreço pelo facto de a pena de morte ter sido eliminada na Europa, mas pediu que “não se imponha ao Egípto” o mesmo critério.

Explicou ainda que enquanto nos países europeus ocorrem poucos actos terroristas, o Egípto “está exposto a centenas ou milhares de actos terroristas”.

“Então, como é que acham que os combatemos?”, perguntou.

“Quando a prioridade nos países europeus é procurar o bem-estar, aqui a prioridade é proteger o país do colapso. Por isso, são questões diferentes”, sublinhou Al-Sissi.

O Presidente egípcio argumentou ainda que “com um só acto terrorista em Sharm el-Sheikh, a cidade pode transformar-se numa cidade fantasma durante quatro ou cinco anos”.

O secretário-geral da Liga Árabe, o egípcio Ahmed Abulgeit, pediu para responder a uma pergunta dirigida a Al-Sissi sobre direitos humanos e assegurou que durante a cimeira, a parte europeia não se mostrou “insatisfeita” quanto a este assunto.

Inforpress/Angop/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos