Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente do TC assegura que nova lei obriga instituições a enviarem relatórios sem autorização do ministro

 

Cidade da Praia, 18 Out (Inforpress)- O presidente do Tribunal de Contas, José Carlos Delgado, assegurou hoje, na Cidade da Praia, que a proposta da nova lei do TC obriga os órgãos de controlo interno a enviarem os relatórios sem autorização de cada ministro.

A afirmação foi feita pelo presidente do Tribunal de Contas, hoje, depois de ser ouvido em audiência pela Comissão Especializada de Finanças e Orçamento (CEFO), no âmbito da preparação do debate parlamentar sobre o Estado da Justiça em Cabo Verde, agendado para a sessão parlamentar deste mês.

José Carlos Delgado , que foi auscultado sobre a nova proposta de lei que regula a composição, a competência, o processo e o funcionamento da instituição que dirige, mostrou-se muito confiante e convicto de que essa proposta seja aprovada ainda no decorrer deste ano, para o “bem de Cabo Verde” e maior controlo o dinheiro público.

“Essa nova lei contempla o principio da selectividade, onde iremos analisar e avaliar o risco de cada instituição. São realizadas várias auditorias de gestão, alargadas também ao serviço de segurança social, permitindo assim ao Tribunal de Contas seguir em tempo real a execução orçamental”, explicou.

Para o presidente, trata-se de uma proposta “completamente inovadora, estruturante , muito importante” para Cabo Verde, para o reforço de transparência e do controlo da coisa pública.

De acordo com o responsável, todas as empresas, reguladoras, associações e entidades públicas ou privadas que recebem dinheiro do Estado serão submetidas ao controlo do TC.

“É uma lei com mecanismos muito mais céleres, vai alargar a obrigação a dirigentes políticos, responsáveis das instituições, mas também dirigentes e assessores ligados ao processo e ninguém ficará de fora na responsabilidade financeira e criminal”, assegurou, frisando que com essa alteração a multa passa de 200 contos para dois milhões de escudos.

AV/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos