Search
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Economia
Internacional
Desporto
Politica
Sociedade

Presidente do INGT promete para breve entrada em vigor do diploma que em 2015 criou novas vilas (c/áudio)

Cidade da Praia, 16 Mar (Inforpress) – A mudança do Governo e de alguns elencos camarários pode estar na origem do esquecimento do diploma que, em 2015, criou 19 novas vilas e ainda não entrou em vigor, mas a presidente do INGT promete para breve.

“Trata-se de um processo que talvez tenha caído no esquecimento dos municípios e, por conseguinte, não houve um seguimento”, afirmou a presidente do Conselho Directivo do Instituto Nacional de Gestão do Território (INGT), Ilse Amarante, em entrevista à Inforpress, a propósito do diploma que, depois de quase quatro anos, não entrou em vigor por falta da publicação da portaria sobre a delimitação física das vilas criadas pelo decreto-lei nº 47/2015 de 21 de Setembro.

O diploma é da autoria do Governo, mas as propostas são das autarquias locais, nomeadamente as assembleias municipais, que são os órgãos deliberativos.

Ao todo, nessa altura, foram criadas as seguintes vilas: Chã de Igreja e Coculi, concelho da Ribeira Grande e Ribeira das Patas, concelho do Porto Novo (Santo Antão); Calheta e Barreiro (Maio);  Palmeira (Sal); Nossa Senhora do Monte (Brava); Chã de Tanque, Achada Falcão e Ribeira da Barca, município de Santa Catarina; Achada do Monte (São Miguel); Ribeira das Pratas e Achada Tenda, (Tarrafal), todos na ilha de Santiago;  Praia Branca (Tarrafal de São Nicolau)  Fajã de Baixo e Juncalinho (Ribeira Brava (São Nicolau); Rabil  (Boa Vista); Ponta Verde e Patim, (São Filipe – Fogo).

A portaria que define os limites territoriais das vilas, que deverão abranger zonas de expansão no futuro, não chegou a ser publicada e, na ausência deste diploma habilitante, as referidas vilas, em termos jurídicos, são inexistentes.

A presidente do INGT garante que a sua instituição está a envidar esforços para que os municípios retomem o processo, tendo, segundo ela, algumas autarquias respondido “positivamente”, ou seja, avançaram com as delimitações físicas das vilas, já aprovadas em assembleias municipais, nomeadamente das ilhas de Santo Antão S. Nicolau e S. Vicente.

No que tange aos outros municípios, Ilce Amarante assegurou que o trabalho de terreno já foi concluído, faltando apenas que os órgãos deliberativos se reúnam para a sua aprovação.

“A nossa estratégia é que até ao final do mês de Março este processo seja fechado”, indicou a presidente do INGT, adiantando que no último encontro a nível da rede intermunicipal este compromisso foi assumido pelas partes.

De acordo com o diploma publicado há cerca de quatro anos no Boletim Oficial, cada vila, além dos seus brasões de armas e bandeira, tem o seu dia, o “Dia da Vila” que se assume como uma ocasião, por excelência, para, além do mais, sentir a vivência da localidade e dar voz às suas gentes, desafiando a cidadania local para novas formas mais modernas, solidárias e participativas de elevar a sua vila a patamar superior.

Cabem às assembleias municipais dotarem as respectivas vilas dos seus brasões de armas e bandeiras, com observância do disposto no decreto-regulamentar nº 8/2000, de 28 de Agosto, que regula o direito ao uso, ordenação e processos de constituição dos símbolos heráldicos municipais.

Para a feitura dos brasões de armas e bandeiras, o diploma que cria as vilas estabelece que deve haver um concurso público.

LC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos