Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente do Fundo de Água e Saneamento desafia operadoras a prestarem serviço de qualidade (c/áudio)

Cidade da Praia, 17 Set (Inforpress)- O presidente do Conselho Directivo do Fundo de Água e Saneamento, Hélder Santos, desafiou hoje as empresas e operadores que trabalham nesse ramo a prestarem um serviço de qualidade para poderem recuperar os custos e continuarem a fazer investimentos.

O repto foi lançado hoje na Cidade da Praia, momentos antes de presidir à uma conversa aberta sobre o financiamento do sector da água e saneamento – desafios e oportunidades, promovida pela Agência Nacional de Águas e Saneamento (ANAS), no âmbito do 5º aniversário, assinalado hoje, onde sublinhou que o financiamento constitui um dos maiores entraves para o sector de água e saneamento.

“A população tem de pagar pelo serviço que é prestado, sendo que água e o saneamento têm um retorno. E para além desse retorno, é preciso que as empresas e os operadoras que trabalham nesse ramo tenham a possibilidade de chegar ao máximo de pessoas possível e que prestem um serviço com qualidade para poderem recuperar estes custos e continuar a fazer investimentos”, precisou.

Segundo avançou Hélder Santos, neste momento as instituições financeiras no país têm disponibilidade financeira e capacidade para financiar, reconhecendo, por outro lado, que é preciso que as empresas apresentem projectos com qualidade e que tenham taxa de retorno económico favorável para que as instituições financeiras possam financiar.

Na ocasião, lembrou que para os próximos 20 anos, o Governo vai precisar para o sector de água e saneamento 70 mil milhões de escudos cabo-verdianos, de modo a garantir que até 2030 todos os cidadãos tenham água potável e saneamento.

“É uma verba muito grande e o Estado não tem condições, sozinho, de angariar esse montante. Daí a ideia da criação desse fundo, que, através das instituições financeiras, parceiros nacionais e internacionais, possam angariar fundos para poderem fazer face às necessidades do sector”, constatou.

Por seu turno, o presidente da Agência Nacional de Águas e Saneamento (ANAS), Miguel Ângelo da Moura, assegurou que uma das ambições do Governo é fazer com que o país tenha as melhores práticas a nível de água e saneamento e consiga níveis muito satisfatórios em matéria de abastecimento de água e serviços básicos de saneamento.

Entretanto, avançou que o encontro tem por finalidade, não só mostrar o trabalho feito pelo Governo, mas também as oportunidades existentes para o sector privado, lembrando que foi criado um mecanismo que permite que as empresas e os municípios apresentem projectos para financiamento, por um lado, e, por outro, participem como co-financiador em matéria de água e saneamento.

O responsável adiantou que a ANAS vai continuar a trabalhar na divulgação desse mecanismo de financiamento do sector de água e saneamento junto dos parceiros.
Criado pelo Governo, o Fundo de Água e Saneamento é a instituição que deverá disponibilizar meios financeiros reembolsáveis às estruturas responsáveis pela produção e abastecimento de água e serviços de saneamento.

AV/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos