Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente do Brasil arguido por obstrução à Justiça e organização criminosa 

 

São Paulo, Brasil, 14 Set (Inforpress) – O presidente do Brasil, Michel Temer, foi constituído arguido no final da tarde de hoje acusado de praticar os crimes de obstrução à justiça e participação em organização criminosa.

A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral do país, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o procurador, Michel Temer e parlamentares do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) participaram num suposto esquema de corrupção envolvendo membros da Câmara dos Deputados (câmara baixa parlamentar) com o objectivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.

Segundo a denúncia, praticaram acções ilícitas em troca de subornos por meio da utilização de diversos órgãos públicos, como a petrolífera Petrobras, a hidroeléctrica de Furnas, o banco Caixa Económica, o Ministério da Integração Nacional e a câmara baixa.

A denúncia refere que o esquema desenvolvido permitiu que os denunciados recebessem pelo menos 587 milhões de reais (157,9 milhões de euros) em suborno.

Michel Temer é acusado de ter actuado como líder desta suposta organização criminosa desde Maio de 2016.

“Para Rodrigo Janot, em Maio de 2016, com a reformulação do núcleo político da organização criminosa, os integrantes do “PMDB da Câmara [baixa]”, especialmente Michel Temer, passaram a ocupar um papel de destaque que antes tinha sido dos membros do Partido dos Trabalhadores em razão da concentração de poderes na Presidência da República”, diz a Procuradoria Geral da República (PGR) em comunicado.

O mesmo órgão destacou que “há imputação do crime de obstrução à justiça por causa dos pagamentos indevidos para evitar que Lúcio Funaro assinasse uma colaboração premiada [acordo para confessar crimes em troca da redução da pena]”.

Neste sentido, Michel Temer é acusado de instigar Joesley Batista, empresário e dono da empresa JBS, a pagar vantagens ilícitas para o agente financeiro Lúcio Funaro não concluir um acordo com a Justiça brasileira.

“Os três [Michel Temer, Joesley Batista e Ricardo Saud] são denunciados por atrapalharem as investigações de infracções praticadas pela organização criminosa”, afirmou a PGR.

Apesar da tentativa, Lúcio Funaro assinou um acordo de colaboração premiada que foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal e as informações prestadas constam nesta denúncia contra o Presidente brasileiro.

Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud, também da JBS, foram incluídos na acusação de obstrução de justiça porque perderam hoje a imunidade penal porque omitiram informações durante o processo de assinatura do acordo de delação premiada.

Também são alvo desta denúncia os ex-deputados do PMDB Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Loures e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos