Presidente da República quer embaixadores adaptados ao novo paradigma das relações internacionais

 

Cidade da Praia, 03 Jul (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, defendeu hoje que os embaixadores cabo-verdianos devem estar melhor adaptados ao novo paradigma das relações internacionais e incitou o Governo a apostar mais na formação em matéria de direito internacional.

Jorge Carlos Fonseca, que falava no encerramento da reunião dos chefes de missão diplomática e postos consulares, que decorria na Cidade da Praia, disse que tem a apreciação de que, com a alteração do paradigma nas relações internacionais, muitos diplomatas têm tido alguma dificuldade em “vestir a pele de um agente do Estado”.

O chefe de Estado explicou que essa tendência decorre do próprio percurso da diplomacia cabo-verdiana (anos 70 e 80), pelo que defende uma “mudança de hábitos e atitudes”, sobretudo neste momento em que a diplomacia económica é considerada de fundamental.

“Por exemplo deve dialogar com os empresários, procurá-los incentivá-los a investir, a vir para Cabo Verde. Dá ideia de que isso não é coisa de embaixador, de chefe de missão, que é uma coisa muito prática, pouco solene para actividade de um embaixador, mas isso é fundamental. Tem a ver com a ideia de que o embaixador tem de se adaptar as opções do Governo”, disse, incentivando os mesmos a serem profissionais.

Por outro lado, Jorge Carlos Fonseca incitou o Governo a “apostar mais na formação” dos chefes de missão diplomática, sobretudo, em matéria do direito internacional e nas línguas.

“Talvez deve haver um esforço do ministério na questão da formação porque esta mudança de paradigma implica também mudar as perspectivas, os hábitos e atitudes em relação àquilo que é mais ou menos prioritário para a acção de um embaixador e de um chefe de missão que esteja, sobretudo, num país que pode ser a fonte de investimento”, disse.

“Creio que deve haver um esforço em matéria de direito internacional, porque não temos muita gente com conhecimentos minimamente especializadas em matéria de direito internacional, dos tratados e isso é fundamental”, realçou o Presidente da República.

A questão da nomeação dos embaixadores e o processo de ratificação dos acordos e tratados internacionais foram outros assuntos abordados por Jorge Carlos Fonseca no encerramento do encontro que, durante quatro dias, reuniu representantes de todas as missões diplomáticas e postos consulares de Cabo Verde no estrangeiro.

Organização e funcionamento dos serviços do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, prestação de contas, desafios e implicações, Cabo Verde e as prioridades para o seu desenvolvimento económico, o papel do sector privado como factor de desenvolvimento económico e a segurança como recurso nacional foram os vários temas apresentados e debatidos durante a reunião.

MJB/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos