Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da República propõe debate “sério e aprofundado” sobre o financiamento do ensino superior

Cidade da Praia, 22 Nov (Inforpress) – O Presidente da República propôs hoje um debate “sério e aprofundado” sobre o financiamento do ensino superior em Cabo Verde de forma a encontrar “novas luzes que alumiem os caminhos da qualidade, da excelência e da sustentabilidade”.

O repto foi lançado por José Maria Neves, durante a sua intervenção na sessão solene comemorativa do 15º aniversário da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), tendo afirmado que “conhece e está ciente dos desafios” de gestão com que a instituição pública ainda se confronta.

“O deficit do financiamento do Estado e consequentes impactos na organização e gestão das carreiras e remunerações do corpo docente, na atribuição de bolsas e outros incentivos aos estudantes, na qualidade da formação, na afirmação da investigação e no desenvolvimento institucional da própria universidade”, apontou.

O chefe de Estado disse esperar que nos tempos próximos haja espaço para que os principais intervenientes no sector, desde logo o Governo, as empresas e as universidades, possam debater o financiamento do ensino superior no País e encontrar “novas luzes que alumiem os caminhos da qualidade, da excelência e da sustentabilidade”.

Defendeu que a “premissa maior” está assente na criação de um centro público de ensino, ciência e tecnologia, para a difusão e promoção da cultura do desenvolvimento, que pusesse no topo das prioridades o estudo e a investigação, de modo a potenciar o desenvolvimento humano, “húmus do desenvolvimento sustentável” do País.

Para o chefe de Estado, é preciso pensar e abordar de forma “mais holística e global” como ajustar e configurar mais a Uni-CV, assim como todas as instituições do ensino superior do País, à realidade insular e diaspórica de Cabo Verde, e como fazer com mais resultados a interacção com diáspora.

“Instaurar uma perspectiva global, que nos permita compreender o efeito acumulado dos impactos exercidos pela multiplicidade das acções curriculares pela Uni-CV e desenvolver as políticas públicas mais adequadas para que atinjamos a qualidade e a excelência em todas as áreas e os níveis da nossa oferta universitária”, mencionou.

Defendeu que é necessário pensar como consolidá-la como universidade em rede, instituição mais conectada aos “mais diversos e dinâmicos” centros do saber e da investigação, apanágio consagrado de universidades espalhadas pelo mundo.

Por outro lado, sublinhou que é preciso ter empresas capacitadas para produzir ou prestar serviços, dotadas de “forte dinamismo, ambição e capacidade de inovar e competir”, tanto no mercado nacional, como no mercado internacional.  

José Maria Neves apelou à Uni-CV para abraçar a transformação como desígnio e como agenda, mas sublinhou que essa mudança requer adoptar um conjunto de padrões e de indicadores de ensino e de investigação universitários, de modo que Cabo Verde esteja visível nos rankings globais de classificação de qualidade.

“É nos tempos difíceis que devemos ter a ousadia de pensar o futuro e de mudar em nome desse futuro. Não nos devemos ter reservas mentais de ver mais longe e de ambicionar mais. A ousadia é a palavra-chave e que ganhou já especial significado na vida cabo-verdiana”, concretizou o chefe de Estado, que lembrou que o projecto da universidade pública foi lançado em 2004, altura em que exercia a função de primeiro-ministro.

AV/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos