Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da República apela ao trabalho de todos para que a liberdade de imprensa seja cada vez mais forte e alargada

Cidade da Praia, 03 Mai (Inforpress) – O Presidente da República comparou hoje a liberdade de imprensa a uma jarra de porcelana e apelou ao trabalho de todos para que a mesma seja cada vez mais forte e alargada em Cabo Verde.

Jorge Carlos Fonseca, que falava aos jornalistas após presidir à abertura do seminário “Parlamento moderno, abertura à sociedade civil e consciencialização da igualdade de género”, a decorrer na Cidade da Praia, sublinhou que a liberdade de imprensa é um direito fundamental do Estado de direito e da democracia.

“Quanto maior for a liberdade de imprensa, creio que mais sólido é o Estado de direito e mais sólida é a democracia. Por isso, nesse dia eu apelo que nós todos (os titulares dos órgãos do poder político, começando pelo Presidente, os governantes, os deputados, os autarcas, mas também os jornalistas, e as suas associações), trabalhemos, cada um a seu modo e de acordo com sua visão e sensibilidade, para que a liberdade de imprensa seja cada vez mais alargada e mais forte”, disse.

Numa analogia a uma jarra de porcelana, sublinhou que a liberdade de imprensa é “frágil” e que a mesma corre o risco de sofrer danos a qualquer investida. Neste sentido salientou que a mesma deve ser “cuidada e acarinhada”.

“Sejamos críticos, corrijamos aquilo que não está bem e trabalhemos para aprimorar e avançar nos níveis de liberdade de imprensa”, disse.

Instado a comentar as discussões e as polémicas geradas nos últimos dias sobretudo a nível das redes sociais envolvendo políticos e jornalistas, Jorge Carlos Fonseca disse que não acredita que a liberdade de imprensa em Cabo Verde esteja em perigo, pelo contrário, considera-a salutar.

“Entendo que devemos exigir mais e sermos mais ambiciosos em termos de Estado de direito e liberdade de imprensa. Eu não satisfaço em dizer que somos 23ª ou 29ª democracia. Eu quero que o país esteja em primeiro lugar e eu luto e trabalho para isso e incentivo a todos a trabalharem para isso”, disse, considerando, entretanto, normal que haja avanços e recuos.

De acordo com os Repórteres sem Fronteiras (RSF), o arquipélago caiu em 2018 duas posições no ranking da liberdade de imprensa, tendo caído da 27ª posição para o 29º lugar.

MJB/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos