Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da Plataforma das ONG diz que estado da nação vai acontecer num “contexto particular” por causa da pandemia

Cidade da Praia, 26 Jul (Inforpress) – O presidente da Plataforma das ONG, Jacinto Santos, disse hoje à Inforpress que o estado da nação deste ano, prevista para a próxima semana, vai acontecer num “contexto particular”, por causa da pandemia da covid-19 que afecta o país.

“Esta crise [pandémica] abalou todos os pressupostos de base da governação e os objectivos fixados em termos de crescimento da economia, do turismo e do programa de reformas económicas, sobretudo as privatizações”, precisou Jacinto Santos, acrescentando que a situação da pandemia contribuiu, igualmente, para o aumento do endividamento público.

Na sua perspectiva, vai ser um, estado da nação “especial”, pois, segundo ele, a pandemia da covid “deitou por terra quase tudo o que foi conseguido até Fevereiro de 2020”.

A sua expectativa, enquanto cidadão, é que haja um “discurso realista”, que projecte esperança aos cabo-verdianos e deixou um “apelo forte” para que haja a responsabilização de todos, porque, afirmou, o momento exige de todos (políticos, empresários, sociedade civil organizada) uma “atitude em defesa do país”.

Espera que os sujeitos parlamentares falem a verdade e não para se criar alarmismos, em ordem que toda a gente tenha uma “noção clara” sobre o que existe pela frente.

Instado sobre uma mensagem que gostaria de deixar aos políticos, o primeiro presidente de câmara municipal eleito na Praia afirmou que a crise, a pior que seja, “não pode anular o exercício democrático no Parlamento”.

Segundo ele, a situação por que está a passar o país, por causa da covid, não pode, ainda, “anular as confrontações saudáveis dos pontos de vista e na assumpção respeitosa dos dissensos”.

“Que neste momento haja uma sintonia clara sobre o que deve ser feito para salvarmos a nação”, apelou Jacinto Santos, que deseja a estabilidade governativa, económica e financeira do país para que o Estado possa cumprir com o essencial das funções, mantendo a máquina pública funcional e garantir o pagamento das transferências sociais inevitáveis.

O presidente da Plataforma das ONG defende, por outro lado, que o consenso entre os actores parlamentares passa igualmente pela “melhoria da saúde e desenvolvimento de um programa para a recuperação das empresa e retoma da economia e protecção social”.

LC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos