Presidente da Guiné Equatorial defende recursos dos países da CPLP contra a miséria

Lisboa, 28 Jun (Inforpress) – O Presidente da Guiné Equatorial defendeu hoje, em Lisboa, a rentabilização dos “enormes recursos” dos países da CPLP para a minimização da fome, da miséria e das doenças que afetam a maioria das populações dos países lusófonos.

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que se encontra em Portugal, onde participa na Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, fez uma declaração no final de uma visita à sede do secretariado-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa.

Sobre o processo de integração plena da Guiné Equatorial na CPLP, Obiang disse que este está a evoluir “positivamente” e que espera “em breve” ultrapassar os obstáculos que ainda subsistem para o cumprimento do roteiro estabelecido em 2014, aquando da adesão do país à organização lusófona.

A este propósito, recordou que a Câmara dos Deputados e o Senado da Guiné Equatorial já aprovaram o novo código penal – que prevê a abolição da pena de morte -, encontrando-se na fase de finalizar os procedimentos internos.

Também no caminho da integração, a Guiné Equatorial aprovou a introdução do ensino da língua portuguesa no sistema escolar, a partir do próximo ano letivo.

A República da Guiné Equatorial foi admitida como membro de pleno direito da CPLP na X Conferência de Chefes de Estado e de Governo, realizada a 23 de Julho de 2014, em Díli.

Obiang Nguema Mbasogo considerou importante que a CPLP continue a aproximação aos seus povos, tendo em conta os “enormes recursos” que os respetivos países possuem, que podem ser rentabilizados para minimizar a fome, a miséria e as doenças que a grande maioria das suas populações ainda sofre.

E congratulou-se com a assinatura, na cimeira de Luanda, em julho passado, do acordo de mobilidade no espaço comunitário, que na sua opinião será “um instrumento decisivo” para a circulação dos cidadãos nestes países. A Guiné Equatorial ainda não ratificou este instrumento.

O secretário-executivo da CPLP, Zacarias da Costa, sublinhou os avanços da Guiné Equatorial no processo de integração, embora compreenda que “cada país tem a sua forma de lidar com as questões”.

“O mais importante é que o compromisso está a ser feito e notamos progressos significativos”, disse à Lusa, no final da visita de Obiang à sede da da CPLP.

Zacarias da Costa gostaria de ver o processo concluído antes da próxima cimeira da CPLP e a Guiné Equatorial “plenamente e efetivamente integrada”.

Quando tal acontecer, disse, será possível a realização de mais reuniões em Malabo, capital da Guiné Equatorial, bem como este país assumir a presidência da organização.

Inforpress/Lusa

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos