Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da Guiné-Bissau promete estreitamento de relações com Cabo Verde em áreas como turismo e mar (c/áudio)

Mindelo, 11 Jul (Inforpress) – O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse hoje, no Mindelo, haver todo o interesse para cooperar com Cabo Verde no domínio do turismo, Escola do Mar e em outras áreas como a justiça.  

O chefe de Estado guineense, que falava em conferência de imprensa na manhã de hoje,   no Palácio do Povo, São Vicente, juntamente com o homólogo cabo-verdiano, disse ser preciso aproveitar a experiência de Cabo Verde no domínio do turismo.  

Por isso, assegurou, o ministro do Turismo que faz parte da sua delegação “assim que chegar a Bissau vai começar a lançar os procedimentos nesta área para fazer um acordo”.

A mesma fonte também referiu-se a “grande Escola do Mar”, que visitou neste sábado em São Vicente, mas, lembrou, já há um “acordo-chapéu” entre os ministérios de Negócios Estrangeiros dos dois países, que “lançaram todas as bases para a cooperação em todas as áreas”, inclusive da justiça.  

Umaro Sissoco Embaló considerou, por outro lado, que os dois países têm “um destino comum” sendo ele próprio “cabo-verdiano de coração” é essa “dinâmica que foi recomeçada agora” pelo Presidente Jorge Carlos Fonseca, que “não vai parar”, uma vez que Cabo Verde e Guiné-Bissau, ajuntou, devem tratar-se com “respeito mútuo”.

“Eu farei de tudo, consigo e com quem virá lhe suceder, para manter essa dinâmica, eu represento o povo da Guiné-Bissau e não tenho partido. Os dois povos estão ligados por sangue e amizade”, justificou, adiantando que vai fazer “de tudo” para ver Cabo Verde nas Forças Armadas de manutenção da paz em África.  

O Presidente Jorge Carlos Fonseca, por seu lado, ressaltou que a visita que fez à Guiné-Bissau, em Janeiro último, e a de Sissocó Embaló agora, representam “o relançar da cooperação e a reaproximação” entre os dois Estados, que fizeram a luta de libertação em conjunto.  

“Temos um percurso de história, laços de cultura, de sangue e fizemos uma luta comum de libertação para o colonialismo, que teve altos e baixos, mas nos últimos tempos ninguém duvida que os povos estão muito próximos”, considerou, admitindo que a relação “nunca esteve tão próxima, fraternal e com bases claras”.

Jorge Carlos Fonseca, que condecorou hoje Umaro Sissoco Embaló com a mais alta distinção cabo-verdiana, o primeiro Grau da Medalha Amílcar Cabral, após ter tido a mesma condecoração na Guiné-Bissau, acredita que as relações vão permanecer, “não importa o chefe de Estado que vier e os governos”.

“O caminho está traçado, começamos a percorrê-lo, trilhamos os trilhos e vamos avançar para a cooperação concreta em benefício dos dois países”, sublinhou a mesma fonte, para quem Cabo Verde e Guiné-Bissau “devem falar, sempre que possível, a mesma voz, defendendo todos os interesses comuns”. 

Umaro Sissoco Embaló encontrava-se de visita a Cabo Verde desde quinta-feira, com passagem pela Cidade da Praia e desde este sábado em São Vicente, com visitas ao Campus do Mar, barco “Liberdadi” da CV Interilhas e ainda ao estúdio de música Floating Music e ao espólio museológico do Palácio do Povo.  

LN/AA 

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos