Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da Guiné-Bissau não quer desentendimentos no sector judicial

Bissau, 08 Abr (Inforpress) – O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, recusou hoje aceitar desentendimentos entre o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o procurador-geral da República, salientando que é importantes as pessoas acreditarem no sector judicial.

“É muito importante frisarmos que não podemos, e eu enquanto Presidente da República, não aceito um desentendimento entre o presidente do Supremo Tribunal e o Procurador-Geral da República”, afirmou aos jornalistas Umaro Sissoco Embaló.

O chefe de Estado guineense falava no final de um encontro conjunto com o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Paulo Sanhá, e o procurador-geral da República, Fernando Gomes.

“É importante que as pessoas sintam confiança na justiça guineense. Isso é muito importante. E há coisas que não podemos permitir que saiam para fora. Temos de saber gerir as coisas em fórum próprio. Isto é um Estado. Não vou permitir banalidades”, disse o presidente guineense.

“É muito importante deixarmos as nossas guerras de lado e pensarmos a Guiné-Bissau”, salientou, acrescentando que é preciso haver credibilidade no sistema judicial do país.

O procurador-geral da República pediu recentemente para ouvir o presidente do Supremo Tribunal de Justiça no âmbito de um processo, tendo fontes judiciais confirmado a emissão de um mandado de detenção contra Paulo Sanhá.

O tribunal regional de Bissau marcou para o mês de Abril um julgamento que envolve como suspeito o procurador-geral da República, que disse que não se importa de ser julgado em fórum próprio, o Supremo Tribunal de Justiça.

“A partir de hoje não pode haver tensão entre estes dois órgãos da justiça guineense”, disse Umaro Sissoco Embaló.

Em declarações aos jornalistas, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, que vai terminar em breve o seu mandato, disse que a audiência foi bem-vinda porque “tratou sobre as instituições de duas magistraturas”.

“Não devemos confundir os nossos problemas pessoais com o Estado e o Presidente da República está a tentar que as instituições funcionem harmoniosamente”, disse Paulo Sanhá.

O procurador-geral da República destacou o papel do chefe de Estado com aquela iniciativa que levou a uma conversa “franca e aberta” para tentar encontrar uma “plataforma de diálogo, porque é muito importante um entendimento” para dar credibilidade à justiça e ao poder judicial.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos