Presidente da Enapor nega discriminação na contratação de auxiliares de serviços gerais no Porto da Praia

Mindelo, 06 Nov (Inforpress)- O presidente do Conselho da Administração da Enapor, Ireneu Camacho, disse hoje, em conferência de imprensa, no Mindelo, que não há, da parte da empresa, qualquer discriminação na contratação dos auxiliares de serviços gerais no Porto da Praia.

Ireneu Camacho fez estas considerações em reacção à manifestação promovida hoje por um grupo de trabalhadores que presta serviço no Porto da Praia, liderada pelo Sindicato de Indústria e Serviços Gerais, Alimentação, Construção Civil, Agricultura, Sector de Segurança Privada, Serviços Marítimos e Portuários (Siacsa).

Segundo o responsável, não existe insatisfação entre os estivadores do Porto da Praia e tão pouco os estivadores participaram dessa manifestação.

O que aconteceu, alegou, foi um grupo de pessoas que presta serviço a Enapor, conhecidos por “tchapu na mon”, que anda à volta do porto e de outras entidades a prestarem serviços, que decidiu manifestar-se contra a contratação de alguns colegas. Mas este explicou que a requisição desses prestadores de serviço foi feita com base na lei.

“A Enapor, mediante um sistema de chamadas avulsas rotativos e diários, para colmatar a falta de efectivos de estivas e também para fazer face a situações de pico de actividades portuários, faz requisições à estes prestadores de serviços”, esclareceu a mesma fonte, para quem a contratação desses prestadores de serviço tem cobertura legal nos

Regulamentos específicos que disciplinam a actividade de estiva nos portos do País, nomeadamente o Artigo 3 e o n. 2 da Portaria n. 80/84 de 22 de Dezembro, conjugadas com o artigo 310 do Código Laboral de Cabo Verde.
Conforme Ireneu Camacho, todo o processo de recrutamento foi basado em critérios objectivos e de interesse da empresa, nomeadamente avaliação comportamental e largos anos a prestar serviço no Porto da Praia.

“A Enapor contratou pessoas com mais de 55 anos de idade. Validou processos antigos e pessoas que estavam bem posicionadas. Também contratamos candidaturas espontâneas ou outras, com o objectivo de diversificar e equilibrar os contratados”, explicou o responsável, acrescentando que esta é a segunda fase do processo de contratação que foi iniciado em 2021, sendo que contrataram 21, na primeira fase, e agora contrataram mais 22, totalizando 43 auxiliares de serviços gerais.

“O nosso prazer é contratar, mas, infelizmente, temos a gestão da empresa e critérios de avaliação para contratar. No processo antigo também houve reclamações e as pessoas que então reclamaram foram contratadas agora”, esclareceu, pedindo aos trabalhadores e prestadores de serviço que “aguardem a sua oportunidade, como os outros que aguardaram e que agora foram integrados na empresa”.

CD/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos