Presidente da Cruz Vermelha garante que a instituição agiu dentro da lei em relação ao pagamento do salário dos trabalhadores

Cidade da Praia, 12 Ago (Inforpress) – O presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde, Arlindo Soares de Carvalho, garantiu hoje que a instituição agiu dentro da lei quanto ao pagamento do salário aos funcionários, negando haver qualquer problema sobre o assunto.

Arlindo Soares de Carvalho fez esta intervenção à imprensa, quando instado a comentar o posicionamento do SISCAP, que definiu um período de 24:00 para a Cruz Vermelha regularizar o pagamento de 35 por cento (%) do salário do mês de Julho aos trabalhadores.

Conforme apontou, a Cruz Vermelha “não tem nada a temer”, sempre defendeu os direitos dos trabalhadores, avançando que os mesmos “já receberam” uma boa parte do salário.

“Nós já tínhamos pago cerca de 65% do salário, mas bruto, sem descontos e tudo está na normalidade, até porque ontem já tínhamos concluído o processo de pagamento”, disse.

O responsável revelou que aquando do posicionamento do SISCAP, a entidade já tinha agendada uma reunião e os documentos já estavam elaborados.

“Não há nenhum problema, nós solicitamos o processo de adesão ao lay off, houve um prolongamento, e também fizemos o pedido, que andou normalmente, as instituições pronunciaram-se”, frisou.

Arlindo Soares de Carvalho sublinhou ainda que a Cruz Vermelha “agiu dentro das leis”, assumindo não haver nenhum problema, nem com o sindicato, nem com os trabalhadores.

O secretário permanente do SISCAP, Joaquim Tavares, na terça-feira que os trabalhadores da Cruz Vermelha de Cabo Verde decidiram conceder a esta instituição um prazo de 24:00 para repor os 35% do salário do mês de Julho ainda em falta.

Quanto à aprovação do PCCS, o sindicalista avançou que ficou, igualmente, decidido no encontro que a direcção da Cruz Vermelha de Cabo Verde tem até finais de Setembro deste ano para a sua implementação.

HR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos