Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da CRC da ARAP diz que o processo de concurso dos transportes marítimos inter-ilhas “foi mal-conduzido”

Cidade da Praia, 04 Jul (Inforpress) – A presidente da CRC da ARAP afirmou hoje que o processo do concurso dos transportes marítimos inter-ilhas foi mal-conduzido e que devido a “erros graves” registados deveria ter sido anulado e refeito com base nos critérios da contratação pública.

Maria João Novais, presidente da Comissão de Resolução de Conflitos (CRC) da ARAP fez estas declarações durante a audição da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) sobre o processo de concessão do serviço público de transportes marítimos inter-ilhas, na Assembleia Nacional.

“Primeiro começamos um concurso na base de um anúncio de jornal na manifestação de interesse e só depois de termos chamado a atenção para as UGA neste sentido é que foram produzidos elementos do concurso e não é aquilo que é expectável perante um dossiê como este”, afirmou.

Esta responsável, que votou contra na segunda deliberação do processo de concurso e teve voto vencido, apontou a falta do caderno de encargos e do programa do concurso como algumas das “irregularidades graves” do processo.

Essas “irregularidades”, para a presidente da CRC da ARAP, “são graves”, realçando que não se pode basear num procedimento de concurso com esta envergadura sem os elementos que são fundamentais para a contratação pública.

“Não há elementos estatísticos, matemáticos e na base dessa falha toda que foi apontada entendi que não poderíamos deixar passar este concurso. O concurso deveria ter sido suspenso, deveriam ter sido refeitos todos os elementos do concurso com base dos critérios da contratação pública e não avançarmos e continuarmos até ao fim com este concurso”, indicou.

Para Maria João Novais, as falhas registadas eram “básicas e fundamentais” para não se avançar com este concurso nos moldes em que foi desenhado.

Defendeu, neste sentido, a elaboração do caderno de encargo e o programa de concurso compatível com o que se pretende efectuar, isto, tendo em conta um concurso internacional de contratação de concessão de serviço público dos transportes marítimos, de acordo com a lei da contratação pública.

A presidente da CRC da ARAP frisou, por outro lado, que estando perante um processo de concurso a nível internacional, a Comissão de Resolução de Conflitos entendeu que não se pode compactuar com a “ligeireza dos procedimentos” e ao não seguimento das regras da contratação pública.

Em Outubro de 2018, o Governo anunciou que o grupo português Transinsular venceu o concurso público internacional para a gestão e exploração do serviço público de transporte marítimo de passageiros e carga entre as ilhas de Cabo Verde.

Em Março deste ano, o Governo e a Transinsular assinaram o contrato de concessão do serviço público de transporte marítimo de passageiros e carga.

CM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos