Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente da Associação do Turismo de Santiago diz que Covid-19 vai ter “impacto negativo” no sector

Cidade da Praia, 16 Mar (Inforpress) – O presidente da Associação do Turismo de Santiago (ATS), Eugénio Inocêncio, disse hoje que a pandemia do novo coronavírus (Covid-19)   vai ter um “impacto negativo” no sector na ilha.

“O impacto vai ser negativo, aliás, é a própria Organização Mundial do Turismo que já admitiu publicamente que este ano vai haver um retrocesso mundial ao nível do turismo, ou seja, a taxa de crescimento vai ser negativa”, indicou Eugénio Inocêncio, em declarações à Inforpress, acrescentando que Cabo Verde “não foge à regra”.

No entanto, mostra-se “confiante” que, nos próximos meses, a crise do novo coronavírus, pelo menos, ao nível da saúde “estará ultrapassada”.

O presidente da ATS acredita que com a resolução deste problema da saúde pública a economia e o turismo vão se recuperar, pelo que o país terá que estar preparado para “assumir a recuperação”.

Neste momento, disse, o importante é “minimizar ao máximo os efeitos [do Coronavírus] na saúde pública” e, ao mesmo tempo, “garantir às empresas a sua sobrevivência”.

“Sem a sobrevivência das empresas não será possível esta retoma [do turismo] que acontecerá nos próximos meses”, sublinhou Eugénio Inocêncio.

Instado sobre o que o Governo deve fazer em termos de apoio às empresas, entende que não deverá ser diferente do que está a acontecer lá fora, ou seja, apoio ao pagamento de vencimentos de empresas que não conseguem operar e, também, problemas com os impostos e os bancos.

“Estamos a aguardar, e, sabemos que isto está nas intenções do Governo, a marcação de reuniões connosco, enquanto Associação de Turismo de Santiago, e com outras associações empresariais, para falarmos relativamente às medidas que devem ser adoptadas”, sublinhou, deixando transparecer que o modelo que está a ser adoptado lá fora pode ser “adaptado às condições e possibilidades do país”.

Na sua perspectiva, as empresas constituem um “activo central da criação de riqueza, de emprego, do bem-estar e do desenvolvimento do país” e, por isso, o Governo irá encontrar “as melhores formas” de as  apoiar.

Relativamente aos prejuízos que as empresas ligadas ao sector do turismo estão a acumular, afirmou que, neste momento, avançar qualquer número seria “pura e simplesmente uma especulação”.

“Este é o momento para trabalharmos com a cabeça fria e tranquilidade a fim de encontrarmos as melhores soluções numa situação que é particularmente difícil”, concluiu o presidente da ATS.

LC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos