Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Presidente cessante da AJOC diz que profissionais de comunicação social também estão a sofrer com a pandemia

Cidade da Praia, 03 Mai (Inforpress) – O presidente cessante da AJOC disse hoje que, à semelhança do que acontece em várias partes do mundo, os profissionais da comunicação social cabo-verdianos estão também a sofrer com os impactos da covid-19 no exercício da sua profissão.

Segundo Carlos Santos, na tentativa de controlar a propagação da pandemia, as autoridades têm adoptado algumas medidas, que vão desde a declaração da situação de contingência passando pela calamidade até ao estado de emergência.

“No caso de Cabo Verde, a liberdade de imprensa e o direito de informação não sofreram restrições no contexto da covid-19”, indicou o líder da Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde, acrescentando que, apesar disso, a AJOC foi obrigada a reagir à intenção manifestada pelo Governo de responsabilizar judicialmente os órgãos de comunicação social que publicassem informações não verdadeiras no momento do estado de contingência em que o País vivia.

Lembrou que na altura a AJOC considerou que a instauração da situação de contingência ou do estado de emergência não podia significar a suspensão ou o fim da democracia e, logo, da liberdade de imprensa.

Para Carlos Santos, o “bom senso imperou”, fazendo com que o Governo recuasse na sua medida.

O presidente da AJOC fez essas considerações na abertura da conferência/debate sobre “Jornalismo em tempos de pandemia, evento promovido pela organização da classe para assinalar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que hoje se comemora em todo o mundo.

Citando a Repórteres Sem Fronteiras, disse que em várias partes do mundo as autoridades tomam como pretexto a crise sanitária para reforçarem o seu controlo sobre as informações e aumentar as condenações dos jornalistas, “tudo para minimizar o número de mortes relacionado com covid-19”.

“A crise sanitária gerada pela covid-19 está a desafiar os órgãos de comunicação social a reformatar o seu modelo de negócios e a obrigar os jornalistas a repensar o exercício da sua profissão, apostando decididamente na criatividade e na inovação no contexto das novas tecnologias de informação e comunicação”, concluiu o presidente da AJOC.

Por sua vez, a embaixadora Sofia Moreira de Sousa congratulou-se com o facto de a conferência “Jornalismo em tempos de pandemia”, no quadro do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, ser o primeiro evento a que a União Europeia se associa, num mês denominado Mês da Europa, que se celebra a 09 de Maio.

Para Sofia Moreira de Sousa, a liberdade de imprensa é um “valor fundamental” da União Europeia que tem sido apoiada por muitas iniciativas recentes.

Entretanto, à margem da cerimónia de abertura da referida conferência foram entregues os prémios de jornalismo referentes a 2021, cabendo ao Presidente da República entregar ao vencedor na categoria de Televisão, Victor Sousa, da TCV, que concorreu com a reportagem “Sal 100 turismo”.

Além do jornalista da Televisão de Cabo Verde, foi ainda vencedor do Prémio Nacional de Jornalismo, o repórter da Rádio de Cabo Verde, Jefferson Gomes, com a reportagem “Cabo Verde aos olhos de quem liderou o País”.

Este ano, o júri decidiu atribuir duas menções honrosas, sendo uma para o trabalho intitulado “Descrição e documentação do crioulo do Fogo”, da jornalista Ariana Vaz, da RCV, e outra foi para Dina Almeida, da Record-TV, que apresentou o trabalho intitulado “Problemática do abuso sexual de menores em Cabo Verde”.

Na categoria de Imprensa, o júri entendeu não atribuir nenhum prémio, tendo em conta que, na actual edição do PNJ, “não foi encontrado nenhum trabalho que justificasse a escolha de algum deles” para o prémio.

Durante a conferência sobre o jornalismo em tempo de pandemia foram desenvolvidos temas, como: “Os desafios do Jornalismo no contexto de emergência sanitária”, a cargo da presidente do Sindicato dos Jornalistas de Portugal, Sofia Branco, e “O papel da regulação dos media perante restrições de direitos dos cidadãos”, pela presidente da Autoridade Reguladora para a Comunicação Social, Arminda Barros.

O último painel “Investigação jornalística num Estado de excepção constitucional e desinformação” ficou sob a responsabilidade do docente universitário Daniel Santos.

LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos