Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Preços da oferta turística diminuíram -9,5% no primeiro trimestre de 2021, INE

Cidade da Praia, 20 Abr. (Inforpress) – Cabo Verde registou uma diminuição da oferta turística, no primeiro trimestre do ano corrente, em termos homólogos em -9.5%, resultado inferior em -1,5 pontos percentuais (p.p.), face ao trimestre anterior, segundo dados divulgados hoje pelo INE.

A variação trimestral observada no quarto trimestre de 2020 foi de 0,7%, superior em 6,9 p.p. ao valor registado no trimestre anterior que apresentou uma variação de -6,2%, é justificada como reflexo do padrão de sazonalidade deste indicador.

No primeiro trimestre de 2020, ainda, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, esta variação tinha sido positiva e relativamente intensa (2,3%), situando-se em -1,6 p.p. abaixo da actual.

“A classe dos hotéis, cafés e restaurantes apresentou uma variação homóloga de -8,9%, -0,9 p.p., abaixo da que se verificou no trimestre anterior. A esta variação correspondeu uma contribuição de -9,5 p.p. para a variação do IPT total”, lê-se nesta comunicação.

De acordo com dados estatísticos, a componente do alojamento que corresponde a 63,05% da despesa turística com especial destaque para os hotéis que correspondendo a 59,07% da despesa turística total, registaram uma contribuição negativa (-8,3 p.p.) de sinal idêntico à do trimestre anterior, mas de menor intensidade (-7,3 p.p.).

É que “a restauração, cujo peso representa cerca de 35,7% da despesa turística, apresentou uma contribuição negativa (-0,66 p.p.) ligeiramente mais fraca (0,06 p.p.) que a do trimestre anterior”.

Já o movimento dos preços das dormidas em hotéis (com uma contribuição de -8,2 p.p.) e dos aldeamentos turísticos (com uma menor contribuição negativa de -0,01p.p.) foram considerados completamente determinantes para este comportamento do IPT total.

Café, bares e similares (0,05 p.p.) afigura-se como a componente do IPT que apresentou contribuição de sentido oposto à das restantes, ao passo que restaurantes (-0,66 p.p.), pensões (-0,04 p.p.), pousadas (-0,004 p.p.) e aldeamentos turísticos (-0,01 p.p.) apresentaram contribuições negativas.

O nível médio dos preços das restantes componentes manteve-se praticamente constante em relação ao trimestre homólogo.

Enquanto isto, a taxa de variação no trimestre em análise foi de 0,7%, superior em -6,9 p.p. à registada no trimestre anterior em que se situara em -6,2%, com a particularidade do trimestre do ano anterior ter verificado, igualmente, uma variação em cadeia positiva (2,3%), superior em 1,3 p.p. à do quarto trimestre de 2019.

“Estes resultados são a consequência de movimentos sazonais de natureza mensal, com particular incidência na componente de alojamento”, referiu a fonte, acrescentando que a variação deste trimestre face ao anterior revela, contrariamente ao trimestre anterior, uma quebra dos preços dos serviços de alojamento.

Quanto aos serviços prestados por pensões, segundo o INE, verificou-se uma diminuição dos preços (-4,2%), hotel-apartamento (-0,7%) e as residenciais (-0,2%),  nos serviços prestados pelos hotéis e aldeamentos turísticos verificou-se um aumento dos preços, (1,0%) e (0,9%), respectivamente, mas nos restantes serviços turísticos registaram-se variações nulas face ao trimestre anterior.

O índice de Preços Turísticos é reverenciado como um indicador que tem por finalidade medir a evolução no tempo dos preços de um conjunto de bens e serviços considerados representativos da estrutura de consumo dos turistas.

SR/ZS

Inforpress/Fim  

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos