Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Praienses convocados para “um chega” a violência contra mulheres  

Cidade da Praia, 19 Dez (Inforpress) – Os praienses estão convocados para uma marcha contra a violência contra mulheres, prevista para quinta-feira, 20, a partir das 16:00, com concentração em frente da Igreja Nova Apostólica, na Fazenda.

Em declarações à Inforpress, a presidente da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra Violência Baseada no Género (ACLCVBG), Vicenta Fernandes, afirmou que a iniciativa, que partiu de um jovem praiense, tem o apoio da instituição que dirige e, também, do Instituto Cabo-verdiana para Igualdade e Equidade de Género (ICIEG)

“É uma marcha para pôr fim a todo o tipo de violência contra mulheres e meninas. Vamos reunir para chamar a atenção da sociedade para esta responsabilidade que é de todos nós. Pedimos a todos que se vestem de preto em sinal de luto”, disse Vicenta Fernandes.

Ainda segundo a mesma fonte, a marcha terá o percurso Fazenda-Avenida Amílcar Cabral-Praça do Platô.

Na Praça do Platô haverá, apontou Vicenta Fernandes, um minuto de silêncio em homenagem a todas as mulheres vítimas de violência, seguido de uma corrente de oração.

Pretende-se ainda laçar dois pombos brancos para simbolizar a paz.

“Queremos dar ‘um basta’ a essa forma cruel de violência. A nossa sociedade quer paz”, completou a mesma fonte.

Ultimamente o país registou vários casos de homens que mataram suas ex-companheiras.

O último caso aconteceu no domingo, 16, em que um homem matou a ex-companheira e cometeu suicídio ao pular de um prédio, em Achada Grande Frente, na Cidade da Praia.

Ainda na semana passada um outro indivíduo matou a ex-companheira à facada na localidade de Alto São João, ilha do Sal, e tentou suicidar-se logo de seguida, atirando-se contra uma viatura, tentativa frustrada, mas que resultou em ferimentos numa perna do homem.

Em declarações à Inforpress, o psicólogo Nilson Mendes disse hoje que o feminicídio é o “capítulo final de um histórico de violência”, por isso defendeu que a mulher deve interromper este ciclo de agressões, físicas ou verbais, “o quanto antes”.

Aquela fonte afirmou que o ciclo, geralmente, começa com a humilhação e desclassificação da mulher.

“E pode progredir para a violência física. O homem que agrediu uma vez, a chance de voltar a ter um comportamento violento é grande”, acrescentou, adiantando que “a violência contra a mulher tem uma expressão preocupante para o país”.

Segundo disse aquele especialista, em quase todos os casos de feminicídio o homem faz ameaças prévias.

GSF/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos