Praia: Jovens portuguesas em Cabo Verde para trabalho voluntário em projectos no bairro Fonton

 

Cidade da Praia, 10 Ago (Inforpress) – Cerca de 60 jovens portuguesas escolheram Cabo Verde, mais concretamente no bairro de Fonton, na Cidade da Praia, para trabalhar voluntariamente em vários projectos comunitários, que vão desde formações, actividades culturais e consultas médicas.

As voluntárias, oriundas de várias cidades lusas, são finalistas e muitas delas formadas em Medicina, Enfermagem, Gestão, Serviço Social, entre outras áreas. Iniciaram este trabalho voluntário denominado “Projecto Cabo Verde” a 30 de Julho último e termina na sexta-feira, 11.

Maria Inês Moreira, coordenadora das actividades das artes para jovens, explicou à Inforpress que o projecto tem como objectivo reduzir a pobreza, melhorar a nutrição e a segurança alimentar, assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos e “empoderar” mulheres e meninas.

No dizer da estudante de Engenharia Física, este trabalho consiste em promover acções de formação em áreas como empreendedorismo para jovens e adultos (senhoras), educação ambiental e respeito pelo espaço público, para crianças e jovens, saúde escolar e oral, curso de primeiros socorros, informática e cozinha.

De entre as actividades, o destaque vai para cuidados básicos de saúde às pessoas da comunidade através de um dispensário médico no Centro de Intervenção Comunitário de Fonton, “muito procurado”, levada a cabo pelas jovens finalistas do curso de Medicina e recém-formadas.

Maria Inês Moreira informou que para as crianças dos 5 aos 11 anos constam actividades como artes, teatro, dança e coro, enquanto as jovens raparigas entre 14 e 18 anos se dedicam a artes “um bocadinho mais desenvolvidas”, empreendedorismo, coro, dança e cozinha.

“As actividades têm como objectivo desenvolver o sentido crítico e o pensamento das pessoas, para conseguir desenvolver um bocadinho o bairro”, disse, sublinhando que também tentaram explicar para as pessoas que acham que a vida delas tem que parar num certo sítio, que podem aproveitar das formações para criarem um negócio.

Já nas aulas de cozinha e vida saudável as voluntárias tentaram ensinar receitas novas e diferentes e ainda explicar certos aspectos de uma vida saudável, com ênfase na postura e paludismo.

O “projecto Cabo Verde”, que teve início há muitos anos e uma paragem em 2010, segundo Maria Inês Moreira “é para continuar” e nos mesmo moldes.

Avançou que no próximo ano vão regressar novamente à Cabo Verde, para o mesmo bairro, com as mesmas actividades, e ainda trazer materiais didácticos, livros, medicamentos e alimentos, no âmbito de uma campanha de angariação solidária que decorre em Portugal.

A estudante de Engenharia Física faz balanço positivo do “Projecto Cabo Verde”, destacando a adesão e a participação dos populares, quer das crianças, jovens e adultos nas actividades a eles destinadas.

“Está a ser uma experiência óptima. Viemos ensinar e estamos a aprender imenso, costumes diferentes e perspectivas diferentes da vida”, enfatizou.

A iniciativa conta com apoio de várias entidades portuguesas, do Centro de Intervenção Comunitária do Bairro do Fonton, da Rotary Club Maria Pia e das Aldeias Infantis SOS Cabo Verde.

FM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos